A Ciência e o Espírito

26 06 2007

Serviço de e-mail diário do Centro Espírita Caminhos de Luz-Pedreira-SP-Brasil:

E


m pleno início do século XXI e dos desenvolvimentos científicos e tecnológicos que nos aguardam neste novo milênio, somos levados a reavaliar a postura do Espiritismo perante a Ciência. Embora Kardec tenha enunciado que “O Espiritismo e a Ciência se completam um pelo outro” eles permanecem separados, sobretudo porque o preconceito científico e sistemático da chamada “Ciência Oficial” (ou acadêmica), mantendo sua postura materialista e céptica, leva à negação a priori dos fenômenos espíritas, tomados como superstição ou fraude e, conseqüentemente, rotulando o Espiritismo como destituído de bases científicas.

O Espiritismo é definido por Kardec como “a ciência que estuda a origem, a natureza e a destinação dos Espíritos, bem como sua relação com o mundo corpóreo. É ao mesmo tempo, uma ciência de observação e uma filosofia de conseqüências morais” .

Por outro lado, uma boa definição de ciência é “um conjunto organizado de conhecimentos relativos a um determinado objeto, especialmente os obtidos mediante a observação, a experiência dos fatos e um método próprio” .Assim dois elementos são essenciais para ter-se uma ciência: o objeto e o método de estudo deste objeto, que de acordo a definição acima, precisa ser adequado ao objeto.

Classicamente falando, a ciência se baseia no método indutivo, que parte do particular para o todo, sendo portanto reducionista, empirista e cartesiana. Um dos critérios citados como de máxima importância seria a da reprodutibilidade dos experimentos, em qualquer parte do mundo, por qualquer pessoa, desde que as condições fossem mantidas as mesmas. Mas se formos rígidos no método clássico, deixaríamos de considerar como ciências a História, a Sociologia, a Psicologia, etc., o que nos parece completamente absurdo, desde que não se produzam fatos históricos em laboratório, e tão pouco se reproduzem comportamentos em pessoas submetidas às mesmas condições. O que difere as Ciências Humanas das Ciências Exatas ou Naturais são justamente o objeto e o método, embora em alguns casos o objeto pode ser mesmo: o homem.

Assim é que o Espiritismo, por possuir um objeto de estudo completamente alheio à “Ciência Oficial”, ou seja, o espírito ou princípio inteligente, requer um método próprio, adequado. Kardec define este método em relação à fenomenologia espírita quando usa o termo “ciência de observação”, a qual consiste na observação criteriosa dos fatos, buscando entender suas origens, suas causas. Também a História é uma ciência de observação, e assim como não se reproduzem fatos históricos, não se pode exigir a reprodução inequívoca de fenômenos espíritas, desde que o objeto de estudo é inteligente, emocional e volitivo – o Espírito.

Para o Espiritismo, a existência do Espírito e de sua comunicabilidade é um fato, decorrente do axioma de que “todo efeito inteligente precisa ter, necessariamente, uma causa inteligente”. O que importa é o controle sobre a legitimidade da comunicação que se obtém através dos fenômenos mediúnicos, quer de efeitos físicos ou de efeitos inteligentes, e para tanto Kardec definiu um método doutrinário próprio, sumarizado por Herculano Pires em quatro pontos principais:

“i) Escolha de colaboradores mediúnicos insuspeitos, tanto do ponto de vista moral, quanto da pureza das faculdades e da assistência espiritual;

“ii) Análise rigorosa das comunicações, do ponto de vista lógico, bem como do seu confronto com as verdades científicas demonstradas, pondo-se de lado tudo aquilo que não possa ser justificado;

“iii) Controle dos Espíritos comunicantes, através da coerência de suas comunicações e do teor de sua linguagem;

“iv) Consenso universal, ou seja, concordância de várias comunicações, dadas por médiuns diferentes, ao mesmo tempo e em vários lugares, sobre o mesmo assunto”.

Muito dos chamados pesquisadores espíritas envidam esforços para a comprovação da existência dos Espíritos e da imortalidade da alma, mas freqüentemente empregando os métodos da Química, da Física, da Biologia, etc., que são adequados à matéria, mas não ao Espírito. O máximo que poderão conseguir é um melhor entendimento dos fenômenos de efeito físico e do perispírito, que é a parte material do Espírito, o seu corpo de manifestação, mas jamais do princípio inteligente, que é imaterial e foge a todas as técnicas de investigação da matéria. Enquanto isso, a Ciência Espírita, baseada no método kardecista, foi praticamente abandonada pelos espíritas…

Voltando ao confronto Ciência e Espírito, embora à primeira vista há conceitos espíritas que parecem ser desmentidos ou postos em dúvida pela Ciência, o desenvolvimento da ciência no século passado muitas vezes apontou na direção da confirmação dos princípios espíritas. A desintegração da matéria em partículas cada vez mais elementares e a interconversão matéria/energia, como estabelecido pelas Mecânicas Quântica e Relativística, respectivamente, apontam a possibilidade de existência uma “matéria elementar”– o que é coerente com o princípio espírita da existência de um fluido universal (ou cósmico), proposto pelos Espíritos Codificadores.

A medicina psicossomática, a escrita automática, o corpo bioplásmico, a terapia de vidas passadas (TVP), a psicologia transpessoal, cada uma em sua própria área de atuação, gradativamente vêm fazendo avanços que confirmam a teoria espírita, mas não provam por “a mais b” a existência do Espírito e sua sobrevivência ao corpo, permanecendo muitas vezes injustamente marginalizadas do ponto de vista acadêmico.

Entretanto, consideramos precipitado substituir a terminologia espírita pela terminologia científica, pois poderemos incorrer em graves erros, que podem levar à descaracterização da Doutrina Espírita. Alguns confrades espíritas, afoitos em respeitar a natureza evolutiva do Espiritismo, como estabelecido por Kardec em “A Gênese” 1, substituíram em seus escritos a palavra fluido por energia, chamam o perispírito de corpo eletromagnético do Espírito e alguns chegaram a afirmar que o princípio vital nada mais seria que o DNA…

Lembremos o ensinamento do codificador: “Melhor é recusar nove verdades, a aceitar uma única mentira”.

O Espiritismo é uma ciência sim! Mas é preciso respeitar-lhe objeto e método. Lúcido foi Kardec, ao enunciar que “o Espiritismo e a Ciência se completam um pelo outro; a ciência, sem o Espiritismo, se acha impossibilitada de explicar certos fenômenos, unicamente pelas leis da matéria; o Espiritismo, sem a ciência, ficaria sem apoio e exame” 1.

[1] Kardec, A., A Gênese, LAKE.
[1] Kardec, A., O que é o Espiritismo, FEB.
[1] Dicionário Aurélio Eletrônico.
[1] Pires, H., Ciência Espírita, FEESP.
[1] Pires, H., in “Introdução ao Livro dos Espíritos”, O Livro dos Espíritos, LAKE.
[1] Kardec, A., O Livro dos Médiuns, LAKE.

Artur Mascarenhas – Extraído da página irmã: www.espirito.org.br

O autor é bacharel e mestre em Química pela UFBA, doutorando em Química pela UNICAMP. Iniciou seus estudos espíritas no CEHC em 1989, é sócio fundador da Sociedade de Educação Espírita da Bahia – SEEB e criador e moderador da lista eletrônica “Evangelho-na-Net”, através da qual distribui diariamente mensagens espíritas de caráter moral (Evangelho-na-Net-subscribe@yahoogroups.com).

Anúncios




Joana d´Arc CLIP – Muito alto astral

18 06 2007

Um clip super legal baseado no filme de Joana d´Arc de Luc Besson – ao som de “Intuition” by Dj Encore.. Para quem conhece a história real é muito emocionante. Aumenta o som !





Convite a Revolução na Educação Brasileira: “Invasões de reitorias se espalham pelo país.”

6 06 2007

“Centenas de estudantes ocuparam o saguão do prédio da reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), na região central de Porto Alegre, em ato de apoio aos invasores do prédio da reitoria da Universidade de São Paulo (USP) e de repúdio à reforma universitária.” – fonte: Yahoo.

A educação brasileira está necessitada de recursos, verbas, estrutura, escolas – vejam que convite os universitários fazem no momento… Mas não se deve buscar apenas melhorias isoladas ou protestos duvidosos contra reformas das universidades, deve-se sim reivindicar investimentos pesados na educação pré-escolar, fundamental, média e universitária – estruturalmente, financeiramente e materialmente. Temos que exigir uma revolução na Educação. Melhores salários aos professores, mais e melhores escolas e universidades, com laboratórios, tecnologia de ponta e computadores de verdade, … tudo!

Todas as mazelas são diretamente e indiretamente resultados da falta de investimentos na Educação. Não é por falta de dinheiro – e sim vontade política. Todo efeito possui uma causa. Um dos motivos pelo estado de guerra que o Rio vive hoje em dia é causado pela falta de investimentos na Educação. Se nos últimos 30 anos todos os jovens estivessem em atividades escolares, englobando esportes, música, religião, como tudo seria diferente…

A qualidade está terrível, o analfabetismo funcional é alarmante, sem contar com o analfabetismo digital… ora espero um dia poder falar sobre analfabetismo digital, pois num país onde as pessoas em sua grande maioria só sabem escrever o nome e não possuem nem noção de higiene pessoal, é muito incoerente tocar nesse assunto.

Também a política contaminada pela corrupção e jogo de interesses sangram fontes de verbas para serem investidas em todos os setores básicos da população. Mas como já foi dito, toda ação gera reações – espiritualmente todos irão pagar por desvios e roubos. ( já explicado neste blog.)

Que todos os Brasileiros possam buscar fazer a sua parte sempre o melhor que puderem, pois Tiradentes até hoje não conseguiu despertar o sentimento de amor a pátria nacional, mesmo dando a sua vida pelo BRASIL. Pois a verdadeira independência teremos quando todos os brasileiros consigam ter dignidade e valor na sociedade.

Que cada universidade, escola e família possa ter uma bandeira como esta para motivar e exigir dos nossos governantes que seja feita justiça em toda a Educação Brasileira, ainda que seja tarde !!!

Bandeira






Nossos Sofrimentos e Nossos Inimigos

5 06 2007

O Antagonista

O adversário em quem você julga encontrar um modelo de perversidade talvez seja apenas um doente necessitado de compreensão.

Reconhecemos o fato de que, muitas vezes, a pessoa se nos torna indigna simplesmente por não nos adotar os pontos de vista.

Nunca despreze o opositor, por mais ínfimo que pareça.

Respeitamos o inimigo, porque é possível seja ele portador de verdades que ainda desconhecemos, até mesmo em relação a nós.

Se alguém feriu a você, perdoe imediatamente, frustrando o mal no nascedouro.

A crítica dos outros só poderá trazer-lhe prejuízo se você consentir.

A melhor maneira de aprender a desculpar os erros alheios é reconhecer que também somos humanos, capazes de errar talvez ainda mais desastradamente que os outros.

O adversário, antes de tudo, deve ser entendido por irmão que se caracteriza por opiniões diferentes das nossas.

Deixe os outros viverem a sua própria vida e eles deixarão você viver a existência de sua própria escolha.

Quanto mais avança, a ciência médica mais compreende que o ódio em forma de vingança, condenação, ressentimento, inveja ou hostilidade está na raiz de numerosas doenças e que o único remédio eficaz contra semelhantes calamidades da alma é o específico do perdão no veículo do amor.

Francisco Cândido Xavier. Da obra: Sinal Verde. Ditado pelo Espírito André Luiz

Durante nossa vida é comum entrarmos em contato com pessoas difíceis e muitas vezes criarmos verdadeiros inimigos. Nessa mensagem de André Luiz vimos quanto é importante estarmos atento a esses acontecimentos e nos controlarmos emocionalmente para conseguir tirar a lição verdadeira da situação de conflito.

Deve-se ter em mente ainda que tudo o que fizermos ao próximo na realidade estamos fazendo a nós mesmos. Pois pela lei da ação e reação devemos ter a certeza de que tudo o que praticamos com o nosso próximo iremos gerar futuramente uma reação disso.

Praticando boas ações retorna boas reações a nós mesmos. Ruins retorna ruins. Muitos acontecimentos detestáveis nos acontecem, muitos até mesmos acidentes nos ferem psicologicamente ou fisicamente – tendemos a maldizer o nosso “Anjo da Guarda” ou até mesmos Deus por ter deixado tal acontecimento acontecer conosco. Essa ira interior deve ser raciocinada para aceitar o que não se pode mudar mais.

Afinal todos os nossos sofrimentos são causados por nós mesmos em vidas anteriores !

Não adianta reclamar com Deus por estar sofrendo tanto. Na realidade os nossos sofrimentos são em quase maioria reações de má ações nossas em vidas passadas. Lembra? Toda ação produz reações e iremos recebê-la de volta, nem que seja em outra vida… essa é a lei da ação e reação o qual somos todos regidos.

Contudo, nossas ações boas atuais são contra-pesos à nossas ações negativas dessa vida e das vidas passadas. Por isso o Espiritismo prega tanto a caridade, pois somente ela salva, perdoa e apaga nossos pecados.

Portanto se está sofrendo o único caminho é seguir o exemplo de Jesus e praticar caridade. Deus é nosso Pai Celeste e sofre por termos que sofrer pelos nossos erros.

Fica o convite para que todos possamos praticar a caridade ao próximo, seja material a um pobre necessitado, seja dedicando um pouco do tempo a visitar um orfanato, asilo, uma conversa amiga, um apoio moral às pessoas ao nosso redor.

“Fora da caridade não há salvação”