Fotofobia, Minimize os efeitos com esse protetor de tela !

31 08 2007

A irritação da vista perante a luz é cada vez mais comum nessa era de informática. Passar horas em frente a tela de tv ou do microcomputador “queimam a vista”. Sem falar na exposição a raios solares cada vez mais fortes.

Quanto ao sol o uso de óculos escuros resolve o problema. A televisão, basta assistir com distância mínima de três metros. Mas quem possui computador e não dispõe de recursos para colocar um monitor LCD está sujeito a problemas de vista.

Para tentar solucionar esse problema ainda temos os “protetores de telas” que na verdade ajudam pouco.

Para evitar que muitos desenvolvam a fotofobia com esses monitores desenvolvi um protetor de tela que ajuda em muito o problema.

Basta conseguir uma radiografia do tamanho do monitor. Coloque-a dentre de uma solução de cloro (hipoclorito de sódio) até deixar sair toda a imagem gravada. Coloque uma luva e óculos de proteção para evitar respingos e passe um mano macio para ajudar a tirar a imagem. Interessante é que o líquido juntamente com a imagem nada mais é do que prata! Existindo até mesmo reciclagem através de processo químico simples para recuperar essa prata de forma pura.

Sobre a reciclagem veja no link http://recicloteca.org.br/cultivando.asp?Ancora=8

Mas voltando ao protetor de tela, finalmente temos a radiografia limpinha de tonalidade azul. Por ser um material próprio para filtrar radiação juntamento com sua cor torna-se um protetor de tela muito eficiente. Pode-se inclusive colá-lo no protetor de tela comum, daqueles de vidro melhorando consideravelmente sua eficiência.

Protetor

Além disso, deve-se regular o monitor para emitir menos brilho e contraste, inclusive os de LCD. Quanto menos claridade melhor para a vista. A configuração do monitor também é importante. Regulando o vídeo (propriedades de vídeo) para 800 x 600 pode ser um alívio para quem está com dor de cabeça ao tentar ler tantas letras pequeninas.

Agora pode-se ler com muito mais conforto todos os textos do computador, restando apenas saber escolher o que se está lendo. Afinal somos o que pensamos. E por esses pensamentos transformados em ações nosso futuro é formado. E mais ainda, toda um presença espiritual é afinada por eles…

http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2002/10/somos_o_que_pen.html

http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2002/09/sintonia_e_vibr.html





Titãs: Um convite a ação e aceitação

27 08 2007

Esta música foi material de trabalho do curso de Formação de Docentes em que estou finalizando. E a palavra chave foi “aceitar as pessoas como elas são”. Pois muitos professores discriminam alunos devido a serem carentes, drogados, desnutridos, com pais problemáticos… Mas é um mito que esses alunos não aprendem. Todos aprendem seja qual for sua situação psicológica. Basta trabalhar com amor, vontade e ter o dom de ensinar.

TITÃS – EPITÁFIO

Intro: G D Em G7 C Cm

G D Em G7
Devia ter amado mais
C
Ter chorado mais
Cm G
Ter visto o sol nascer
G D Em G7
Devia ter arriscado mais
C
E até errado mais
Cm G
Ter feito o que eu queria fazer

C Cm G E7 A7 D7
Queria ter aceitado — as pessoas como elas são
C Cm G E7 A7 Cm G
Cada um sabe a alegria — e a dor que traz no coração

| G G/B Am
| O acaso vai me proteger
| Cm G
| Enquanto eu andar distraído
| G G/B Am
| O acaso vai me proteger
| Cm
| Enquanto eu andar

[ Intro ]

G D Em G7
Devia ter complicado menos
C
Trabalhado menos
Cm G
Ter visto o sol se pôr

G D Em G7 C Cm
Devia ter me importado menos com problemas pequenos
G
Ter morrido de amor
C Cm G Em A7 D7
Queria ter aceitado — a vida como ela é
C Cm G Em Cm G
A cada um cabe alegrias — e a tristeza que vier

| G G/B Am7 Cm G
| O acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído
| G G/B Am7 Cm G
| O acaso vai me proteger enquanto eu andar
| G G/B Am7 Cm G
| O acaso vai me proteger enquanto eu andar distraído
| G G/B Am7 Cm G
| O acaso vai me proteger enquanto eu andar

G D Em G7
Devia ter complicado menos
C Cm
Trabalhado menos
G
Ter visto o sol se pôr

Fonte: http://titas.cifras.art.br/cifra_5369.html





A maneira certa de fazer uma caridade material.

20 08 2007

Caridade Uma caridade pode se tornar duplamente valiosa se feita corretamente. Mas exige esforço íntimo na sua prática contra o egoísmo natural da sociedade. E para que seja praticada de forma correta verifica-se as seguintes instruções:

1) O bem material a servir de doação deve ser de fonte honesta e propriedade de quem for fazer a doação;

2) Trajar roupas simples para não intimar quem for receber a doação;

3) A doação pessoal deve ser feita sem que ninguém saiba ou veja. Dessa forma, além de não se promover a vista dos outros, estará praticando a caridade de não humilhar a pessoa que recebe a doação.

4) O verdadeiro necessitado é aquele que se encontra ao nosso campo de ação e na maioria das vezes não pede esmolas como um pedinte profissional, mas sim depende de nossa iniciativa de oferecer verificando sua real necessidade.

Muitos Grupos Espíritas promovem assistência a famílias necessitadas. É uma ótima oportunidade de ajudarmos a nós mesmos com a prática da caridade, seja participando dos trabalhos internos ou contribuindo com alimentos.

Verifique que na realidade – com a prática da caridade – estamos criando significado a nossas vidas e espiritualmente nos sintonizando com bons espíritos; além disso, construímos sentimentos de gratidão que virão a ser o nosso verdadeiro tesouro. A luz estará contigo.

Fonte: Evangelho Segundo o Espiritismo. Capitulo 13 – Os infortúnios ocultos





Pink Floyd e nossos desejos

16 08 2007

Esta música do Pink Floyd é uma das primeiras que eu conseguir tocar no violão. Sua letra é muito profunda, criada em 1975. O título nos passa uma mensagem de sentimento de perda, saudade. Como tudo nesse mundo é passageiro devemos ter a certeza de que tudo, inclusive nosso corpo e vida material é passageiro. E a saudade só é positiva se transformamos ela em ações.

Portanto, a perda de alguém querido, não deve ser alimentada com pensamentos de não aceitação, inconformismos, ou saudade com desejos fortes de retenção. Mas sim em ações onde o sentimento da saudade apenas servirá como combustível motivador para a pratica de uma determinada ação de caridade em homenagem a essa pessoa querida.

Por estudos Espíritas sabemos que nosso espírito é imortal. Portanto alegremos nossos amigos e familiares que não estão mais presentes conosco materialmente trocando a saudade pela caridade concreta!

E vou mais além. Isso serve não apenas para saudade de pessoas falecidas, mas também para “dor-de-cotovelo” em geral, amigos morando longe, separações de qualquer tipo… A ação na caridade sempre anula os sentimentos negativos transformando-os em saudades positivas.

Intro:
Em / G / Em / G / Em / Am7 / Em / Am7 / G / G

C D Am G
So, so you think you can tell, heaven from hell? Blue skies from pain?

D C Am
Can you tell a green field, from a cold steel rail? A smile from a veil?

G C D
Do you think you can tell? Did they get you to trade, your heroes for ghosts?

Am G D
Hot ashes for trees? Hot air for a cool breeze? Cold comfort for change

C Am G
And did you exchange, a walk-on part in the war, for a lead role in a cage…

(guitar solo – repeat intro)

C D
How I wish, how I wish you were here

Am G D
We’re just two lost souls swimming in a fishbowl, year after year

C Am
Running over the same old ground, what have we found – the same old fears?

G
Wish you were here

–0–3———— ———3————

——–0–2–3— ——-2————–

—————— —–2—————-

—————— –0——————-

—————— ———————-

—————— ———————-





Fé contra o estresse

15 08 2007

stress Ao assistir uma palestra sobre estresse no meu grupo, comecei a fazer um pequeno resumo esquematizando do que era dito pelo palestrante ao mesmo tempo complementando com pensamentos próprios. Segue resume então:

Existem dois tipos de estresse. Um negativo outro positivo.

O estresse positivo é normal, motivador, produtor de ações consistente. Mesmo sob pressão não causa mal se canalizado corretamente com alegria e controle. As reações físicas, como o aumento da pressão arterial, batimentos cardíacos, nervosismo é controlada com o foco na fé, no otimismo, na confiança, na alegria de fazer, no prazer. A energia física portanto é totalmente canalizada para a atividade com afinco. O produto final é recompensador e motivo de mais alegria. A pessoa para agir dessa forma possui as seguintes características: perdoa facilmente, paciente, possui fé, alegre, com auto-estima alta, tem metas bem definidas, procura sempre se organizar, e em caso de ambiente profissional – estar no lugar correto e possui vocação para a atividade que se dispõe a praticar.

O estresse negativo é uma anormalidade, atrapalhando a produção de ações e conseqüentemente do produto final objetivado. As reações físicas são descontroladas e constantes gerando ansiedade, preocupação, medo, desordem mental e física. Não há canalização dessa energia descontrolada e negativa acumulando e causando doenças e desgaste físico e mental. O produto final é falho e até mesmo nulo. A pessoa que possui o estresse negativo necessita urgentemente de uma auto-avaliação e de reforma íntima. Possui características negativas afloradas, como a auto-estima baixa, dificuldade em perdoar, falta de fé, descontrole emocional e ainda orgulhosa muitas vezes em não admitir a si mesmo seus defeitos. Ainda não possui uma meta de vida bem definida, causando muitas dúvidas e insegurança nas ações.

Como solução básica listamos aqui algumas sugestões:

1) “Conheça-te a ti mesmo”, com nos dizia Sócrates. Busque em si seus dons, tendências boas para desenvolver e acertar na vida e tendências negativas para corrigi-las.

2) Viva o aqui e agora sempre com fé e certeza que estará sempre amparado pelo plano espiritual no desenvolvimento e ação de tarefas construtivas.

3) Tenha uma meta de vida bem definida, escrita como um diário e suas ações a cada dia para alcançá-la.

4) Desenvolva a paciência, pois muitos acontecimentos estressantes são provas que devem ser superadas.

5) Tenha seu limite bem definido e sua capacidade igualmente sábia para evitar dar “saltos maiores que a perna”.

6) Esforce-se para não guardar sentimentos e praticar a comunicação clara e sempre em todas as situações, evitando dúvidas. A dúvida é geradora de ansiedade, preocupações e medos.

7) Se trabalha em uma atividade que não goste, apenas pela necessidade, e o que tem vocação não é rentável, não desista dos sonhos. Busque desenvolver em paralelo o que tem prazer como um hobby mesmo que em poucos minutos diários. Toda ação gera reação.

8) Pratique caridade, uma palavra consoladora, doar seu tempo a uma conversa, a uma pessoa solitária, uma atenção muitas vezes vale mais que dinheiro.

9) Coloque-se sempre no lugar do próximo em suas ações.

10) Eleve o pensamento acima dos problemas materiais, pois como nos diz Maria, mãe do nosso Mestre Jesus: Tudo passa.

Portanto aqui está mais um item que devemos controlar em nossa reforma íntima: a nossa fé ao combate do estresse ao serviço do controle emocional.

Sucesso a todos !





Não a Pena de Morte. Por que ?

10 08 2007

Sergio Vieira de Mello - Wikipedia “Família de Vieira de Mello pede que terrorista não seja morto. A mãe do brasileiro, Gilda Vieira de Mello, e sua ex-namorada, Carolina Larriera, emitiram um comunicado alertando que Sérgio Vieira de Mello sempre foi “contra a pena de morte”. Gazeta do Povo

Diante dessa atitude linda da família do brasileiro morto em atentado contra a ONU, uma verdadeira homenagem a sua pessoa, devemos refletir e levar informações a nível espiritual dos motivos da não prática da pena de morte.

Para isso não se deve pensar apenas no corpo físico. O homem é formado de corpo e espírito. Com a pena de morte atinge-se o corpo, contudo o espírito irá continuar. E pior, será um espírito livre e com certeza com sentimentos nada positivos.

Além de criar esse inimigo no plano espiritual, onde pode até mesmo influenciar na vida alheia através de uma obsessão, todos os envolvidos na prática da pena de morte estarão se comprometendo na lei universal da ação e reação. Assim sendo, esses indivíduos estarão sujeitos a penas futuras pela ação aprovada da retirada da vida de um criminoso.

Não é conhecido com precisão que tipo de pena seria essa, mas por relatos espíritas pode-se concluir que muitos reencarnações com problemas de saúde graves podem ter origens em ações indevidas no passado distante.

Portanto defendamos o fim da pena de morte, não apenas para dar o direito a vida ao condenado ou evitar erros de processos, mas principalmente pelo bem estar das pessoas honestas e sérias que pensam estar fazendo justiça matando um criminoso. Na realidade estão se prejudicando, assinando assim, um verdadeiro atestado de sofrimento futuro.

Sucesso para todos.

LINKS:

http://www.espirito.org.br

http://www.espirito.org.br/PORTAL/ARTIGOS/ORSON/acao-e-reacao.html

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/correio-fraterno/vida-apos-a-morte.html

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/paulosns/reencarnacao-a-prova-definitiva.html





Cazuza e um pouco de História Geral

9 08 2007

A cifra desse fim de semana traz ao som de Cazuza um pouco de conhecimento histórico. Idade Média e sua transição para a Idade Moderna. Segundo a Wikipédia:

Transição da Idade Média para a Era Moderna

O fim da Idade Média está relacionado a grandes transformações como: a ascensão das monarquias nacionais européias, o início da recuperação demográfica e econômica após a Peste Negra, os Descobrimentos Marítimos, o movimento de redescoberta da cultura clássica, por volta do século XV, bem como a Reforma Protestante, começando em 1517.

Mas e hoje? Parece que estamos voltando a Idade Média. É o interessante da letra desta música do Cazuza, uma crítica a sociedade atual – a nova “Idade Média” onde de porre em porre não somente o autor, mas todo o mundo se despede com sua auto-destruição, desmatamento, queimadas, poluição e outros porres!

CAZUZA – Medieval II

Tom: B
Introd.: B4 / C#m7 / A(add9) / E

B A(add9)
Você me pede
B A(add9)
Pra ser mais moderno
B A(add9)
Que culpa que eu tenho
C#m7 A(add9) B
É só você que eu quero
A(add9)
Às vezes eu amo
B A(add9)
E construo castelos
B A(add9)
Às vezes eu amo tanto
C#m7
Que tiro férias
A(add9) B
E embarco num tour pro inferno
C#m A B
Será que eu sou medieval?
C#m A B
Baby, eu me acho um cara tão atual
F# A B
Na moda da nova Idade Média
F# A B
Na mídia da novidade média
Olha pra mim, me dê a mão
A(add9)
Depois um beijo
B
Em homenagem a toda
A(add9)
Distância e desejo
B
Mora em mim
A(add9)
Que eu deixo as portas sempre abertas
C#m7 A(add9)
Onde ninguém vai te atirar
B
As mãos vazias nem pedras
Eu acredito nas besteiras
A(add9)
Que eu leio no jornal
B
Eu acredito no meu lado
A(add9)
Português, sentimental
B A(add9)
Eu acredito em paixão e moinhos lindos
C#7m A(add9)
Mas a minha vida sempre brinca comigo
B C#m
De porre em porre, vai me desmentindo
C#m A B
Será que eu sou medieval?
C#m A B
Baby, eu me acho um cara tão atual
F# A B
Na moda da nova Idade Média
F# A B
Na mídia da novidade média