Mais rico é quem menos necessidades possui.

31 12 2007

No conteúdo da disciplina de Microeconomia clássica existe a Teoria do Consumidor onde se estuda o comportamento e maximização da satisfação do consumidor dentre diversos tipos de bens de consumo disponíveis no mercado.

Pela curva de indiferença analisa-se as preferências do consumidor sendo representado por pontos geométrico das diferentes combinações de bens que dão ao consumidor o mesmo nível de utilidade. Com aumento da renda naturalmente o consumidor irá elevar os níveis de aquisições e chega-se a um novo ponto de equilíbrio:

Ponto de Equil�brio do Consumidor

Assim chega-se a conclusão de que o consumidor sempre busca posições que maximizem sua satisfação dada a sua renda e os preços dos bens e serviços que deseja adquirir.

Porém nos dias atuais a utilidade de cada bem está sendo cada vez mais passageira por vários fatores, como o lançamento de novos modelos mais avançados de forma mais rápida, má qualidade pelos produtos em base plástica praticamente descartáveis ou ainda a evolução no quesito marketing e propaganda, dentre outros. Portanto, a tendência é sentir cada vez mais que nunca o consumidor irá estar satisfeito com o que se possui no campo material.

Com bases em estudos da Doutrina Espírita que nos revela verdades e leis do mundo espiritual, na questão 922 do Livro dos Espíritos, Allan Kardec fez uma pergunta ao Espírito Superior sobre a questão da felicidade e conseqüentemente maximização da satisfação do consumidor. Vejamos o que nos foi respondido:

922. A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um. O que basta para a felicidade de um, constitui a desgraça de outro. Haverá, contudo, alguma soma de felicidade comum a todos os homens?

“Com relação à vida material, é a posse do necessário.
Com relação à vida moral, a consciência tranqüila e a fé no
futuro.”

Felicidade será alcançada então com a posse do necessário. A reflexão em nossos excessos de consumo pode ser o passo inicial para a verdadeira felicidade do indivíduo. A caridade então deverá ser adotada para conseqüente distribuição do excedente, unindo assim a paz de consciência e fé num futuro onde pela cooperação interpessoal todos os consumidores da sociedade se transformarão em uma grande corrente de irmãos. Utopia no momento, porém se cada um de nós tivéssemos a consciência como freio na aquisição dos excessos e amor ao próximo seria muito fácil essa nova sociedade de fraternidade acima das diferenças e vaidades pessoais.

Contudo sabendo dessa utopia atual Allan Kardec pergunta novamente ao Espírito da Verdade:

923. O que para um é supérfluo não representará, para outro, o necessário, e reciprocamente, de acordo com as posições respectivas?

Sim, conformemente às vossas idéias materiais, aos vossos preconceitos, à vossa ambição e às vossas ridículas extravagâncias, a que o futuro fará justiça, quando compreenderdes a verdade. Não há dúvida de que aquele que tinha cinqüenta mil libras de renda, vendo-se reduzido a só ter
dez mil, se considera muito desgraçado, por não mais poder fazer a mesma figura, conservar o que chama a sua posição, ter cavalos, lacaios, satisfazer a todas as paixões, etc. Acredita que lhe falta o necessário. Mas, francamente, achas que seja digno de lástima, quando ao seu lado muitos
há, morrendo de fome e frio, sem um abrigo onde repousem a cabeça? O homem criterioso, a fim de ser feliz, olha sempre para baixo e não para cima, a não ser para elevar sua alma ao infinito.” (715)

Com essas duas instruções do Espírito da Verdade já podemos iniciar processo de reforma e reflexão íntima a respeito de hábitos e excessos referente a utilidade dos bens materiais que adquirimos e assim comprovar que o verdadeiro rico é aquele que menos necessidades possui.

Portanto no caso de aumento de renda o consumidor deveria buscar distribuir esse acréscimo com famílias menos providas mantendo para si o consumo do que é realmente necessário (E1) e fazendo caridade com o consumo da renda adicional (E2).

Esta é a Economia Espírita onde os recursos são compartilhados com o próximo, a distribuição é automática pela caridade no campo de ação de cada família consumidora e a Instituição Fiscalizadora é a consciência de cada um. E esta mesma consciência deveria estar sendo usada para o convívio pacífico com a natureza criando assim um planeta sustentável.





“Livro dos Espíritos” – uma leitura de vital importância neste Natal.

24 12 2007

Neste Dia de Nascimento de Jesus (prefiro assim já que Natal está ultimamente como sinônimo de presentes, comidas, bebidas e excessos) essencialmente devemos nos reunir em nome de Jesus em orações e estudos para que nosso lar esteja com muita luz. E o “Livro dos Espíritos” há poucos 150 anos nos trás em palavras francas e diretas as explicações das mensagens de amor que Jesus nos trouxe há 2000 anos.

Assim fica o convite para o aprofundamento cristão com a leitura do “Livro dos Espíritos”. Sua análise e estudo sério deve ser missão de cada um de nós, mesmo que seja para criticá-lo. E buscando anular todas as dúvidas que poderiam ser colocadas em questão uma matéria no Reformador de Julho de 2007 de Alexandre Fontes da Fonseca em especial me chamou a atenção em homenagem aos 150 anos do Espiritismo: “Uma análise matemática do Método do Controle Universal do Ensino dos Espíritos”

Nada mais do que uma excelente explicação da metodologia que Allan Kardec usou para que o “Livro dos Espíritos” e toda sua obra tivesse garantia absoluta de autenticidade espiritual.

Afinal por que deveríamos acreditar que o conteúdo dessa obra não foi mera criação e invenção dos médiuns ? Quem garante que realmente é de conteúdo espiritual? Como Allan Kardec teve certeza que o conteúdo seria obra inteiramente dos espíritos e não da imaginação de cada médium utilizado?

Bem nessa reportagem está a resposta. Infelizmente é praticamente impossível fazer um resumo completo. Posso assegurar pela leitura porém, que matematicamente pela utilização de mais de 11 médiuns na elaboração do Livro dos Espíritos resultam em segurança de probabilidade real do conteúdo, visto que uma mesma pergunta era feita a cada um desses médiuns, que se localizavam em lugares distintos e as respostas eram colocadas lado a lado para finalmente serem aprovadas. Como podemos verificar nas próprias palavras de Allan Kardec no Evangelho Segundo o Espiritismo no 9° parágrafo do item II da Introdução e no Livro dos Médiuns na nota do item XXVIII, cap. XXXI:

“Uma só garantia séria existe para o ensino dos Espíritos: a concordância que haja entre as revelações que eles façam espontaneamente, servindo-se de grande número de médiuns estranhos uns aos outros e em vários lugares.”
“A melhor garantia de que um princípio é a expressão da verdade se encontra em ser ensinado e revelado por diferentes Espíritos, como o concurso de médiuns deversos, desconhecidos uns dos outros e em lugares vários, e em ser, aos demais, confirmado pela razão e sanionado pela adesão do maior número..”

O Reformador é uma Revista de Espiritismo Cristão mensal fundada em 21 de janeiro de 1883 e para conseguir sua assinatura basta enviar um e-mail para <assinaturas.reformador@febrasil.org.br> a custo anual de R$ 35,00 apenas.

Quem quiser essa matéria completa envie um comentário e informe o e-mail para poder enviar o texto integralmente.

Bons Estudos !

Download do Livro dos Espíritos:

Download Livro dos Esp�ritos




Hábitos errados, amigos, fraquezas, influências e nossas atitudes hoje.

14 12 2007

Caminho da Luz “Pressão” e “Influência”, são duas palavras que estão a todo momento nos atingindo. Em oposição está apenas a palavra “Coragem”. Coragem para resistir a pressão, gerar mudanças de caminhos e exposição de idéias; coragem para recusar ofertas e tentações e mostrar a nossa construção moral exemplificadora; coragem para sair de frente da porta larga para entrar no caminho da porta estreita da vida.

Vejamos alguns casos:

  • A pressão social de amigos é muito grande, por geralmente serem maioria, acabamos nos deixando ser influenciados. Excessos como aquela “cachaçada” e “noitada” muitas vezes escondido da namorada(o) ou esposa(o) são portas abertas para afinidade com energias negativas e redução de nossa energia vital. Por que ao estarmos com amigos e colegas muitas vezes deixamos ser levados por hábitos infelizes e passivamente sermos influenciados para a bebida, fumo, prostituição, traição ?
  • A pressão social por aceitar facilidades duvidosas. Por que deixamos nos levar por pessoas que dizem que somos “bobos” se não aceitarmos tal proposta ilegal, ou não ir em frente com algo indevido pela regra de que “ah mas isso todos fazem”?
  • A preguiça e comodismo de estar num emprego onde se trabalha pouco, sem contribuição para a sociedade e muitas vezes ainda em “cabides de emprego” ou atividades que prejudicam o ambiente. Por que não buscar através do auto-conhecimento a verdadeira vocação e partir para as dificuldades tão necessárias ao crescimento pessoal?

Afinal, por que não sermos fortes e termos a ciência de que podemos influenciar ativamente um grupo e toda uma sociedade para o bom comportamento da prudência, respeito, moral e saúde? Devemos assim exercitar nossa capacidade de resistência moral nessas situações e outras mais. É a vida nos testando e gravando em nossas consciências os nossos verdadeiros sucessos e fracassos. Das menores coisas até as maiores, tudo é gravado para projeção em nosso fim de passagem diante de nosso tutor espiritual.

A vigilância, prudência e o auto-questionamento deve ser freqüente:

– Estou com o meu trabalho contribuindo para o bem social ?

– Estou satisfeito com o que estou produzindo em meu ambiente de trabalho?

– Afinal quais são minhas aptidões profissionais?

– O que estou produzindo hoje para mudar o futuro na direção da satisfação e plenitude profissional e pessoal ?

– Quem eu sou, onde estou e onde quero chegar?

Objetiva-se assim saber se estamos no caminho certo ou errado. Em caso de insatisfação as ações no presente são vitais para uma mudança futura. Cursos, estudos, atitudes devem ser feitas, e o prazer em fazê-las já é um grande indício de que está na direção correta. Quanto a mudança, pode ser feita gradualmente para evitar rupturas e riscos, mas sempre existirá um dia da guinada e verdadeira mudança de direção.

x x x x

No plano invisível estamos sempre em companhia de amigos espirituais. Muitos pensamentos e sugestões nos são dadas por eles. Por isso é de extrema importância procurarmos estar sempre em boas companhias espirituais. Todos temos um espírito protetor com a incumencia de nos dar boas sugestões e ajudar no que for necessário. Porém somente estaremos ligados a ele se estivermos em afinidade e sintonia de pensamentos.

Se tivermos pensamentos de ordem somente material, sexual e até mesmo pensamentos prejudiciais ao próximo, como raiva, ira, orgulho, inveja, medo estaremos perdendo a sintonia com nossos bons espíritos. Imediatamente assim, entramos em sintonias com espíritos inferiores que pelo contrário, buscam nos prejudicar. Sugerem decisões impensadas de cunho material e no campo das sensações e vícios abrindo portas para obsessões.

Assim sendo, criemos forças para manter nossos pensamentos no bem comum, perdoando para crescer, servindo para nos unir ao bem e refletindo em nosso verdadeiro lugar na vida com boas sugestões e com ações hoje.

Sucesso !

Saiba mais sobre o plano espiritual:

Download dos Livros da Doutrina Espírita, codificados por Allan Kardec.





Neste Natal – Monte um aeromodelo de Isopor para educar e fazer caridade.

1 12 2007

Ahh Natal… é o nascimento de Jesus Cristo, o maior exemplo a seguir, o nosso Mestre amado por quem deu a vida por nós e para nós…

Em nossa sociedade porém o significado do Natal é focalizado nos presentes e incentivos ao consumo do comércio em geral. O envolvimento e marketing é tão grande que muitas vezes sequer pensamos nos pobres e desempregados com dificuldade de comprar até mesmo o alimento, imagine presentes…

Assim sendo venho por meio dessa publicação ensinar a construir um avião de isopor que pode voar através de linha (como uma pipa) ou por arremesso. Com certeza irá alegrar muitas crianças ao custo de apenas uma placa de isopor que não ultrapassa R$ 2,00.

Além disso, se construído junto com a criança pode ser associada a teorias de matemática (cálculos, soma, proporção, medidas, ângulos, área, etc.) e física (aerodinâmica, forças, velocidade, etc.), bastando um adulto buscar nesses conteúdos referências ao projeto e o que mais a imaginação conseguir conciliar.

Desenvolvimento do Aeromodelo:

Necessitamos basicamente de uma régua, lápis, uma placa de isopor e uma tesoura sem pontas que consiga cortar o isopor. Caso a criança não participe da operação pode-se usar para melhor efeito uma serrinha. Com o auxílio do lápis e régua marque os pontos para o corte. O ponto central (meio) das asas devem sempre ser mais largos para fixar melhor quando for encaixar.

Abaixo temos um modelo de avião com as peças já cortadas (avião, asa maior, asa menor):

Modelo pronto sem pintura:

Cortando o avião e as asas, resta fazer o corte para encaixar a asa no avião. Deve ser feito de forma que entre bem apertado prendendo as asas pela pressão. A asa traseira é importante, pois seu ângulo irá determinar se o avião será para arremesso (foto abaixo) ou “reto” se for para usar linha para voar como uma pipa:

Para usar como “pipa” deve-se apenas colocar uma linha em um pequeno furo a se fazer no bico do avião e acentuar o ângulo da asa principal. A asa traseira fica “reta”. Nesse caso é bom evitar asas muito grandes para que o aeromodelo fique alinhado no ar. Bons ventos!

Um bom trabalho e aguardamos fotos dos aeromodelos por e-mail para podermos publicar abaixo! A pintura pode ser feita com hidrocor ou mesmo tinta plástica própria. Qualquer dúvida entrar em contato. Boa diversão!

Ahh Natal… é o nascimento de Jesus Cristo, o maior exemplo a seguir, o nosso Mestre amado por quem deu a vida por nós e para nós… Quando Jesus esteve em nosso convívio – nós éramos as crianças de Jesus, onde nos ensinou o amor e o perdão. Assim sendo, quando ajudamos algumas de nossas criancinhas, ensinando algo de bom, estamos chegando verdadeiramente mais perto de nosso Mestre Jesus.

Que possamos nesse Dia do Nascimento de Jesus estarmos refletindo em todas as nossas ações desse ano, pois toda ação produz uma reação em igual intensidade e em sentido oposto. Assim, pela terceira lei da física, nossas ações também retornam um dia a nós mesmos.

Praticando boas ações teremos boas reações no futuro. Não precisa ter fé nisso, a lei da causa e efeito que nos rege é como uma lei da física que rege os movimentos do universo  (3° lei de Isaac Newton). O máximo que pode acontecer refere-se ao tempo de ocorrência das coisas boas, pois muitas vezes as reações boas que deveriam ocorrer são anuladas pelos atos errôneos que produzimos no passado. Contudo, uma reação ruim que iria nos acontecer não irá mais surgir em nossas vidas.

Vejam a importância da compreensão da física exemplificada em nossas relações com o mundo. E igualmente a essência da vital importância da prática da caridade, para nós mesmos.

Contudo vimos pessoas acumularem dinheiro, produzir ações egoístas, se desviarem da ética e moral e ainda prejudicar outros irmãos. Não sabem o mal que estão fazendo a si mesmos no futuro.

Que Jesus possa estar iluminando a todos nesse momento para o real entendimento do verdadeiro sentido da vida.

Feliz Dia do Nascimento de Jesus para todos nós !