O que nos acontece durante os sonhos ?

19 10 2009

A mente humana ainda é um universo que a ciência, apesar de todos os seus avanços, ainda não conseguiu desvendar muitos fatos. E o sonho é algo que ainda intriga a muitos. Por que sonhar? Qual o significado de determinado sonho? E aquele fato onde um dos integrantes dos “Mamonas Assassinas” disse em uma gravação de vídeo antes do acidente fatal que tinha sonhado com um acidente de avião? Existe então o sonho que nos alerta de algo? E quando os sonhos são totalmente sem sentido? E ainda quando sonhamos com pessoas que nos parecem familiar? ? ?

Algumas respostas já nos são reveladas pela ciência. Mas as explicações trazidas pelo Espiritismo são de grande relevância para essa questão. Assim relatamos aqui detalhes nos revelados por espíritos através de médiuns como o Chico Xavier e o outros ainda da Codificação Básica da obra Espírita onde Allan Kardec em mesmas perguntas, feitas a vários médiuns diferentes, em locais ainda diferentes, comparando-as uma a uma codificou a obra “Livro dos Espíritos”:

(Allan Kardec) 343._ Os Espíritos amigos que nos seguem durante a vida são alguns dos que vemos em sonho, que nos demonstram afeição e se apresentam a nós com aparências desconhecidas?
(Espírito) – Muito freqüentemente são os mesmos. Vêm vos visitar, assim como visitais um prisioneiro.

No “Livro dos Espíritos” onde Allan Kardec interroga o Espírito da Verdade através de vários médiuns temos uma revelação relativa aos sonhos muito interessante. Mas não para por ai. A Doutrina Espírita nos ajuda a entender muitos casos relativos aos sonhos, sendo ferramenta pela qual estaremos examinando minuciosamente para termos mais esclarecimentos sobre os sonhos que todos temos.

Certamente ocorrem impressões do subconsciênte das atividades praticadas durante o dia, contudo também existe muitas coisas além disso.

(Allan Kardek) 396._ Certas pessoas acreditam ter uma vaga lembrança de um passado desconhecido que se apresenta a elas como a imagem passageira de um sonho, que se procura, em vão, reter. Essa idéia é apenas ilusão?
(Espírito) – Algumas vezes é real; mas muitas vezes é também ilusão contra a qual é preciso ficar atento, porque pode ser o efeito de uma imaginação superexcitada.

Verificamos que o próprio Espírito Superior alerta que muitas vezes o sonho também é ilusão, outras vezes pode ser algo real que o próprio espírito do indivíduo tenha vivenciado em vidas passadas. Não querendo ser sensacionalista adverte que a maioria das vezes é fruto da imaginação sim.

Contudo como saber se estamos sentindo um sonho real ou imaginário ? E se existem pessoas que sonham com acontecimentos fatais, como no caso do Mamonas Assassinas, o destino traçado então existe realmente ?

São questionamentos como esses que nos fazem cada vez mais estudar a Doutrina Espírita na tentativa de entender os acontecimentos que nos rodeiam… Quem somos, de onde vimos, para onde vamos? O que nos espera depois da morte? E antes do nascimento, o que somos ? …

Muitas respostas nos são reveladas pelos Espíritos Superiores colocando em xeque paradigmas e dogmas construídos a séculos pelas interpretações dos homens. Mas o Espiritismo nos foi enviado para somar informações e acertar as interpretações de Escrituras de mais de dois mil anos. No caso específico dos sonhos, seria interessante um conhecimento mais detalhado da obra espírita, com pelo menos a leitura do “Livro dos Espíritos” disponível para download no link ao lado direito desse bloq e nas livrarias a um preço irrisório.

Portanto, localizando o assunto na obra “Livro dos Espíritos”, é interessante observar que no capítulo 8 que trata da Emancipação da Alma, temos especificamente detalhes sobre os sonhos revelados pelos Espíritos.

(Allan Karde)  401 _ Durante o sono, a alma repousa como o corpo?
(Espírito da Verdade) _  Não, o Espírito nunca fica inativo. Durante o sono, os laços que o prendem ao corpo se relaxam e, como o corpo não precisa do Espírito, ele percorre o espaço e entra em relação mais direta com outros Espíritos.

Verificamos assim que o nosso Espíritos (alma) durante o sono está mais livre para literalmente se movimentar por onde quiser. E na pergunta abaixo temos uma resposta altamente profunda abrindo grandes perspectivas de raciocínios:

“(Allan Kardec) 402 _ Como avaliar a liberdade do Espírito durante o sono?

(Espírito) – Pelos sonhos. Quando o corpo repousa, o Espírito tem mais condições de exercer seus dons, faculdades do que em vigília; tem a lembrança do passado e algumas vezes a previsão do futuro; adquire mais poder e pode entrar em comunicação com outros Espíritos, neste mundo ou em outro. Quando dizeis: tive um sonho esquisito, horrível, mas que não tem nada de real, enganais-vos; é, muitas vezes, a lembrança dos lugares e das coisas que vistes ou que vereis numa outra existência, ou num outro momento. O corpo, estando entorpecido, faz com que o Espírito se empenhe em superar suas amarras e investigar o passado ou o futuro. Pobres homens, que pouco conheceis dos mais simples fenômenos da vida! Julgai-vos sábios e, entretanto, vos embaraçais com as coisas mais simples; ficais perturbados com a pergunta de todas as crianças: o que fazemos quando dormimos? Que são os sonhos? O sono liberta, em parte, a alma do corpo. Quando dormimos, estamos momentaneamente no estado em que o homem se encontra após a morte. Os Espíritos que logo se desligam da matéria, quando desencarnam, têm um sono consciente. Durante o sono, reúnem-se à sociedade de outros seres superiores e com eles viajam, conversam e se instruem; trabalham até mesmo em obras que depois encontram prontas, quando, pelo desencarne, retornam ao mundo espiritual. Isso deve vos ensinar uma vez mais a não temer a morte, uma vez que morreis todos os dias, segundo a palavra de um santo. Isso para os Espíritos elevados; mas para o grande número de homens que, ao desencarnar, devem permanecer longas horas nessa perturbação, nessa incerteza da qual já vos falaram, esses vão, enquanto dormem, a mundos inferiores à Terra, onde antigas afeições os evocam, ou vão procurar prazeres talvez ainda mais baixos que os que têm aí; vão se envolver com doutrinas ainda mais desprezíveis, ordinárias e nocivas que as que professam em vosso meio. O que gera a simpatia na Terra não é outra coisa senão o fato de os homens, ao despertar, se sentirem ligados pelo coração àqueles com quem acabaram de passar de oito a nove horas de prazer. Isso também explica as antipatias invencíveis que sentimos intimamente, porque sabemos que essas pessoas com quem antipatizamos têm uma consciência diferente da nossa e as conhecemos sem nunca tê-las visto com os olhos. Explica ainda a nossa indiferença, pois não desejamos fazer novos amigos quando sabemos que há outras pessoas que nos amam e nos querem bem. Em uma palavra, o sono influi mais na vossa vida do que pensais. Durante o sono, os Espíritos encarnados estão sempre se relacionando com o mundo dos Espíritos e é isso que faz com os Espíritos Superiores consintam, sem muita repulsa, em encarnar entre vós. Deus quis que em contato com o vício eles pudessem se renovar na fonte do bem, para não mais falharem, eles, que vêm instruir os outros. O sono é a porta que Deus lhes abriu para entrarem em contato com seus amigos do céu; é o recreio após o trabalho, enquanto esperam a grande libertação, a libertação final que deve devolvê-los a seu verdadeiro meio. O sonho é a lembrança do que o Espírito viu durante o sono; mas notai que nem sempre sonhais, porque nem sempre vos lembrais do que vistes, ou de tudo o que vistes. É que vossa alma não está em pleno desdobramento. Muitas vezes, apenas fica a lembrança da perturbação que acompanha vossa partida ou vossa volta, à qual se acrescenta a do que fizestes ou do que vos preocupa no estado de vigília; sem isso, como explicaríeis esses sonhos absurdos que têm tanto os mais sábios quanto os mais simples? Os maus Espíritos se servem também dos sonhos para atormentar as almas fracas e medrosas. Além disso, vereis dentro em pouco se desenvolver uma outra espécie de sonhos; ela é tão antiga quanto a que já conheceis, mas a ignorais. O sonho de Joana D’arc, o sonho de Jacó, o sonho dos profetas judeus e de alguns adivinhos indianos; esse sonho é a lembrança da alma quase inteiramente desligada do corpo, a lembrança dessa segunda vida de que falamos.”

Essa resposta da pergunta 402 do Livro dos Espíritos nos faz dispostos certamente a entrar em contato com a Obra Espírita; e para que já entrou em contato, para uma nova leitura do “Livro dos Espíritos” – por se tratar de uma obra literalmente produzida por seres muito superiores a nós, com respostas igualmente complexas, diretas, esclarecedoras e motivadoras. Podemos assim dispor de uma ferramenta teórica para estudarmos e assim entendermos melhor a nós mesmos. Basta um pouco de vontade.

No caso dos sonhos, vimos que “morremos diariamente” nos sonhos. Logo, nosso espírito se liberta do corpo se dirigindo para onde está nosso coração, nossos hábitos diários.

Quem tem pensamentos elevados, buscando o bem estar comum, produzindo ações construtivas, orando para nosso Pai celeste, certamente durante os sonhos estará se dirigindo a planos mais altos, e ao acordar, estará descansado e com bem estar mental e físico. Ainda recebe boas inspirações durante todo o dia em forma de idéias e acasos para o sucesso pessoal.

Em contrapartida, pessoas que somente pensam e sensações, prazeres, objetos materiais, dinheiro, estará se dirigindo durante o sono a locais sombrios e espíritos igualmente presos as sensações. Certamente ao acordar, irá parecer cansado e desmotivado, pois seu espírito gastou ainda mais energias em atividades ligadas as sensações e negatividade durante o sono. Suas boas inspirações durante o dia serão minimizadas pela falta de sintonia com bons espíritos…

Vejam assim a grande importância da compreensão dos sonhos e da mensagem Espírita para nosso próprio bem. A responsabilidade acaba assim sendo inteiramente nossa. Tudo de ruim que nos acontece não é culpa de um Deus, mas de nossos próprios pensamentos e ações.

– O que habitualmente produzimos e pensamos, certamente teremos reações disso em nosso futuro pessoal e espiritual –

Fica assim o convite a leitura da obra “Livro dos Espíritos” para aprofundamento da questão dos sonhos e de outra questões e ainda a maior observação por cada um de nós nos sonhos que produzimos. E mais além, nos pensamentos e hábitos que temos durante o dia. Observemos nossos sonhos, como se parecem, suas características, se foi colorido ou preto e branco, realista ou sombrio.

Estamos com pesadelos?  Quantas caridades produzimos nesse dia??

Sonhamos com tragédias? O que podemos fazer de boas atitudes para com o próximo para ajudá-los e assim nos ajudar?

Nenhum sonho surge? Por que não nos aprofundarmos em uma filosofia de vida e estudo religioso?

Bons sonhos, ou melhor, boa viagem! Abaixo um vídeo do Richard Simonetti:

Homenagem desse Blog aos integrantes do grupo musical Mamonas Assassinas que tanto divertiu os jovens e ainda deram esse testemunho referente aos sonhos antes de sua partida. Que Deus esteja iluminando-os de luz e harmonia:

banda-dos-mamonas-assassinas

Letra: Em Algum Lugar – Mamonas Assassinas

Cifras Intro: D G C G (a musica toda é assim)

D             G        C         G      D
Sei que algum dia
Alguém me fará sorrir
Um dia verei a vida terminar
Então irei chorar tudo que resta em mim
Lembrarei que ainda posso imaginar

( C G )

D            G           C              G     D
Posso ver nos olhos de cada pessoa
Algo mais uma ilusão
Posso ver chorando, lutando à toa
Algo mais uma desilusão.                                             (2x)

—————————————————————————————

OBS: Contribuições e questionamentos no link “Comentário” abaixo.

Anúncios

Ações

Information

3 responses

23 10 2009
ademario

*TEORIA DOS SONHOS*
* Titulo original em francês: * REVUE SPIRITE* * JOURNAL D’ÉTUDES PSYCHOLOGIQUES* REVISTA ESPÍRITA *JORNAL DE ESTUDOS PSICOLÓGICOS* – PUBLICADA SOB A DIREÇÃO DE * ALLAN KARDEC * – *ANO 8 – JULHO 1865 – Nº. 7*

*TEORIA DOS SONHOS*

É verdadeiramente estranho que um fenômeno tão vulgar quanto o dos sonhos tenha sido objeto de tanta indiferença da parte da ciência, e que ainda se esteja a perguntar a causa dessas visões. Dizer que são produtos da imaginação não é resolver a questão; é uma dessas palavras com a auxilio da qual querem explicar o que não compreendem e que nada explicam.

Em todo o caso, a imaginação é um produto do entendimento. Ora, como não se pode admitir entendimento nem imaginação na matéria bruta, é necessário crer que a alma nisto entre para alguma coisa. Se os sonhos ainda são um mistério para a ciência, é que ela se obstinou em fechar os olhos para a causa espiritual.

Procura-se a alma nas dobras do cérebro, enquanto ela se ergue a cada instante à nossa frente, livre e independente, numa porção de fenômenos inexplicáveis só pelas leis da matéria, notadamente nos sonhos, no sonambulismo natural e artificial e na dupla vista à distância. Não nos fenômenos raros, excepcionais, sutis, que exigem pacientes pesquisas do sábio e do filósofo, mas nos mais vulgares.

Lá está ela, que parece dizer: Olhai e ver-me-eis; estou aos vossos olhos e não me vedes; vistes-me muitas e muitas vezes; vedes-me todos os dias; os próprios meninos me vêem; o sábio e o ignorante, o homem de gênio e o ignorante me vêem e não me reconheceis.

Mas há pessoas que parecem temer olhá-la de frente, e ter a prova de sua existência. Quanto aos que a procuram de boa-fé, até hoje lhes faltou a única chave que lhe poderia ter dado a reconhecer.

Esta chave o Espiritismo acaba de dar pela lei que rege as relações do mundo corporal e do mundo espiritual. Auxiliado por esta chave é pelas observações sobre que se apóia, ele dá dos sonhos a mais lógica explicação jamais fornecida. Demonstra que o sonho, o sonambulismo, o êxtase, a dupla vista, o pressentimento, a intuição do futuro, a penetração do pensamento não passam de variantes e graus de um mesmo princípio: a emancipação da alma, mais ou menos desprendida da matéria.

A respeito dos sonhos, dá ele conta precisa de todas as variedades que apresentam? Ainda não: possuímos o princípio, o que já é muito; os que podemos explicar por-nos-ão na via dos outros; sem dúvida faltam-nos alguns conhecimentos, que adquiriremos mais tarde.

Não há uma única ciência que, de saída, tenha desenvolvido todas as suas conseqüências e aplicações; elas não se podem completar senão por sucessivas observações.

Ora, nascido ontem, o Espiritismo está como a química nas mãos dos Lavoisier e dos Berthoffet, seus primeiros criadores; estes descobriram as leis fundamentais; as primeiras balizas fincadas puseram no caminho de novas descobertas.

Entre os sonhos uns há que tem um caráter de tal modo positivo que, racionalmente, não poderiam ser atribuídos a simples jogo da imaginação. Tais são aqueles nos quais, ao despertar, adquire-se a prova da realidade do que se viu, e em que absolutamente não se pensava.

Os mais difíceis de explicar são os que nos apresentam imagens incoerentes, fantásticas, sem realidade aparente. Um estudo mais aprofundado do singular fenômeno das criações fluídicas sem dúvida por-nos-á no caminho. Esperando, eis uma teoria que parece permitir um passo no assunto. Não a damos como absoluta, mas como fundada na lógica e podendo ser submetida a estudo.

Ela nos foi dada por um dos nossos melhores médiuns, em estado de sonambulismo muito lúcido, por ocasião do fato seguinte:

Solicitado pela mãe de uma jovem a lhe dar notícias de sua filha, que estava em Lyon, ele a viu deitada e adormecida, e descreveu com exatidão o apartamento em que se achava.

Essa jovem, de dezessete anos, é médium escrevente. A mãe perguntou se ela tinha aptidão para se tornar médium vidente.

“Esperai”, disse o sonâmbulo, é preciso que eu siga o traço de seu Espírito, que neste momento não está no corpo. Ela está aqui, na villa Ségur na sala onde estamos, atraída pelo vosso pensamento; ela vos vê e vos escuta. Para ela é um sonho, do qual não se recordará ao despertar. Pode-se, acrescenta ele, dividir os sonhos em três categorias caracterizadas pelo grau da lembrança que fica no estado de desprendimento no qual se acha o Espírito.

São:

1º – Os sonhos que são provocados pela ação da matéria e dos sentidos sobre o Espírito, isto é, aqueles em que o organismo representa um papel preponderante pela mais íntima união entre o corpo e o Espírito. A gente se lembra claramente e, por pouco desenvolvida que seja a memória, dele se conserva uma impressão durável.

2º – Os sonhos que podem ser chamados / mistos/. Participam, ao mesmo tempo, da matéria e do Espírito. O desprendimento é mais completo. A gente se recorda ao despertar, para o esquecer quase que instantaneamente, a menos que uma particularidade venha despertar a lembrança.

3º – Os sonhos / etéreos/ ou puramente / espirituais/. São produtos só do Espírito, que está desprendido da matéria, tanto quanto o pode estar na vida do corpo. A gente não se recorda, ou resta uma vaga lembrança de que se sonhou. Nenhuma circunstância poderia trazer à memória os incidentes do sono.

O sonho atual da jovem pertence a esta terceira categoria. Ela não o recordará. Foi conduzida aqui por um Espírito muito conhecido do mundo espírita lionês e, mesmo, do mundo espírita europeu – o médium-sonambúlico descreve o Espírito Cárita. Ele trouxe com o objetivo de que ela conserve senão uma lembrança precisa, um pressentimento do bem que se pode colher de uma crença firme, pura e santa, e do bem que se pode fazer aos outros, fazendo-o a si próprio. Ele diz à mãe dela que se ela se lembrasse tão bem em seu estado normal quanto se lembra agora de suas encarnações precedentes, não demoraria muito no estado estacionário em que está. Porque vê claramente e pode avançar sem hesitação, ao passo que no estado ordinário temos uma venda sobre os olhos.

Ela diz aos assistentes:

_ “Obrigado por vos terdes ocupado de mim.”.

Depois beija sua mãe.

_ “Como é feliz!” Acrescenta o médium, terminando, como é feliz com este sonho, do qual não se recordará, mas que, nem por isso, deixará de lhe deixar uma salutar impressão!

São esses sonhos inconscientes que proporcionam estas sensações indefiníveis de contentamento e de felicidade, de que a gente não se dá conta e que são um antegozo daquilo de que desfrutam os Espíritos felizes.

Disto ressalta que o Espírito encarnado pode sofrer transformações que lhe modificam as aptidões.

Um fato que talvez não tenha sido suficientemente observado vem em apoio da teoria acima. Sabe-se que o esquecimento do sonho é um dos caracteres do sonambulismo.

Ora, do primeiro grau de lucidez, por vezes o Espírito passa a um grau mais elevado, que é diferente do êxtase, e no qual adquire novas idéias e percepções mais sutis.

Saindo deste segundo grau para entrar no primeiro, nem se lembra do que disse, nem do que viu. Depois, passando deste grau para o de vigília, há novo esquecimento.

Uma coisa a notar é que há lembrança do grau superior para o inferior, ao passo que há esquecimento do grau inferior para o superior. É, pois, bem evidente que entre os dois estados sonambúlicos, de que acabamos de falar, passa-se algo análogo ao que ocorre no estado de vigília e o primeiro grau de lucidez; que o que se passa influi sobre as faculdades e as aptidões do Espírito.

Dir-se-ia que do estado de vigília ao primeiro grau o Espírito é despojado de um véu; que do primeiro ao segundo grau é despojado de um segundo véu. Nos graus superiores, não mais existindo esses véus, o Espírito vê o que está abaixo e se lembra. Descendo a escada, os véus se formam sucessivamente e lhe ocultam o que está acima, com o que perde a sua lembrança. A vontade do magnetizador por vezes pode dissipar esse véu fluídico e dar a lembrança.

Como se vê, há uma grande analogia entre os dois estados sonambúlicos e as diversas categorias de sonhos descritos acima. Parece-nos mais que provável que, num e noutro caso, o Espírito se ache numa situação idêntica. Para cada degrau que sobe, eleva-se acima de uma camada de garoa: sua vista e suas percepções tornam-se mais claras.

* * * *

Entendo que esta contribuição pode aumentar o interesse pelo assunto demasiado importante nas relações entre o mundo visível e o invisível…

Ademário da Silva… 23/10/2009

27 10 2009
Joana

Oi

Passe lá por casa. Há um presentinho de amizade para si.

Um abraço

Joana

29 10 2009
Combatendo nossos medos « Joana d´Arc

[…] Morremos todos os dias quando dormimos. […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: