Mediunidade comprovada com a comunicação com mortos em Tribunal EUA

30 07 2010

No vídeo abaixo temos o relato do canal Discovery Channel onde uma médium auxilia a família de um desaparecido a solucionar o drama.

http://video.br.msn.com/watch/video/investigadores-psiquicos-desaparecido/ru65kacp

Para quem é Espírita não existe novidade nesse caso, até mesmo psicografia de Chico Xavier já foi utilizada na solução de um caso no Brasil.

Contudo para quem não é Espírita e ainda está preso a imagem simbólica do “Céu e Inferno” é um grande convite ao estudo da Codificação Espírita – a qual explica, ensina e revela toda a existência de um mundo, o nosso verdadeiro mundo – o Plano Espiritual.

Infelizmente através de um caso de grave de assassinado foi demonstrado o dom da mediunidade em tribunal americano. Igualmente infeliz é a quantidade de pessoas que se passam por médiuns para cobrar por serviços ou vidências falsas.

Assim venho por meio dessa dar alguns conselhos a quem pretende utilizar-se de serviços de médiuns ou necessita de amparo espiritual:

1) Qualquer pessoa de qualquer religião ou crença pode ser um médium.

2) O médium entra em contato com espíritos que se identifiquem com sua moral e situação psíquica daquele momento. Chama-se sintonia espiritual.

3) Por isso existe a recomendação de que os médiuns entrem em contato com os espíritos dentro de uma Casa Espírita e com o suporte espiritual daquele ambiente de paz protegido de interferências.

4) O médium espírita nunca cobra por nada. A Casa Espírita nunca cobra por nada. A Doutrina Espírita e suas obras são todas formadas por trabalhadores voluntários, médiuns voluntários, dirigentes voluntários.

5) “O médium somente deve dar aos serviços da Doutrina a cota de tempo de que possa dispor, entre os labores sagrados do pão de cada dia e o cumprimento dos seus elevados deveres familiares. A execução dessas obrigações é sagrada e urge não cair no declive das situações parasitárias, ou do fanatismo religioso” (Emmanuel, 1940). Assim o bom médium não vive da mediunidade, da doação ou cobrança pela mediunidade, mas possui trabalho e renda própria e doa seu tempo extra para a caridade mediúnica.

6) O Espiritismo é a ciência que estuda os fenômenos dos espíritos e do plano espiritual. O Médium que se ampara em seus conhecimentos vindo dos próprios espíritos alcançam bases sólidas de caminho na luz do conhecimento cristão.

Assim antes de mais nada devemos procurar sempre auxílio espiritual em Casas Espíritas de preferência filiadas a Federação Espírita Brasileira. E mais do que isso devemos nos aprofundar nos ensinamentos enviados pelos Espíritos para que possamos transformar essa nossa passagem por esse nosso corpo físico em verdadeira oportunidade de crescimento interior.

Assim Seja.





Cientistas pesquisam seriamente a psicografia !

26 11 2018

 Navegando hoje me deparei no site “Saindo da Matrix” um artigo sobre cientistas que analisam cérebros de médiuns durante a psicografia. Então comecei a busca pelo artigo original e achei. Fica o link abaixo:

https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0049360

É um fato muito importante para a humanidade.

Um artigo científico é algo de valor incalculável para o desenvolvimento do conhecimento humano. Apenas um primeiro artigo, pode ser o início de uma sequencia de infinitos outros. A cada novo artigo sobre o tema, os cientistas aproveitam o que foi desenvolvido anteriormente e segue com novas experiências e conclusões criando uma rede mundial de analises, observações, hipóteses e comprovações.

O resumo do presente artigo traduzido segue abaixo:

“Apesar do crescente interesse em dissociação patológica e não-patológica, poucos pesquisadores se concentraram nas experiências espirituais envolvendo estados dissociativos como a mediunidade, em que um indivíduo (o médium) afirma estar em comunicação ou sob o controle da mente uma pessoa falecida. Nosso estudo preliminar investigou a psicografia – na qual supostamente “o espírito escreve através da mão do médium” – para potenciais associações com alterações específicas na atividade cerebral. Foram examinados dez psicógrafos saudáveis ​​- cinco médiuns menos especializados e cinco com experiência substancial, variando de 15 a 47 anos de escrita automática e 2 a 18 psicografias por mês – usando tomografia computadorizada de emissão de fóton único para a atividade de varredura enquanto os sujeitos escreviam, em ambos dissociativos. estados de transe e não-transe. A complexidade do conteúdo escrito original que eles produziram foi analisada para cada indivíduo e para a amostra como um todo. Os psicógrafos experientes mostraram níveis mais baixos de atividade no culmen esquerdo, hipocampo esquerdo, giro occipital inferior esquerdo, cingulado anterior esquerdo, giro temporal superior direito e giro precorrral direito durante a psicografia comparados com a escrita normal (sem transe). Os escores de complexidade média para o conteúdo psicografado foram maiores do que aqueles para a escrita de controle, tanto para a amostra como para os médiuns experientes. O fato de os sujeitos produzirem conteúdo complexo em um estado de dissociação de transe sugere que eles não estavam meramente relaxados, e o relaxamento parece uma explicação improvável para a sub-ativação de áreas do cérebro especificamente relacionadas ao processamento cognitivo que está sendo realizado. Esse achado merece mais investigação tanto em termos de replicação quanto de hipóteses explicativas.”

Deste artigo científico publicado em 2012, já verifica-se hoje em 2018, muitas continuidades, somente na Europa temos 9 citações deste arquivo em outros trabalhos científicos:

http://europepmc.org/abstract/MED/23166648#fragment-related-citations

Dessa forma, percebe-se que a ciência está cada dia mais se aproximando das revelações da Doutrina Espírita, fazendo-nos ter a certeza de que um dia, elas se unirão diante da realidade dos fatos.

Referência original:

Peres JF, Moreira-Almeida A, Caixeta L, Leao F, Newberg A (2012) Neuroimaging during Trance State: A Contribution to the Study of Dissociation. PLoS ONE 7(11): e49360. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0049360

Saindo da Matrix. Artigo. <http://www.saindodamatrix.com.br/archives/2012/11/cientistas_psicografia.html&gt;

 





Casa mal assombrada: O Espiritismo Explica !

13 03 2015
Casa das Irmãs Fox

Casa das Irmãs Fox

O Início

Uma das situações que fazem as pessoas terem preconceito em relação a Doutrina Espírita é a questão do medo de assombração. Ou do receito em ver um “espírito” ou em não deixar os mortos descansar, ou até mesmo, apenas pronunciar a palavra “morte” outras ficam de mal humor.

Mas os fatos do mundo espiritual estão presentes diariamente em nossas vidas através dos espíritos protetores e de toda a influência que surgem em nossos pensamentos! E na maioria das vezes nem nos damos conta dessa influência. Saiba que muitos pensamentos em nossa mente – não são nossos – mas na realidade são produzidos por espíritos.

Além do mais, os fenômenos espíritas são cada vez mais aceitos pela sociedade, principalmente no Brasil, onde através de médiuns de muita bondade, como Chico Xavier, no início, e agora outros tantos ilustres, nos trazem mensagens de conforto e revelações importantes para nossa melhora íntima – que é o objetivo da Doutrina.

E finalmente, um dia também seremos apenas espíritos, sem o corpo físico, é um fato.

Não é fácil entender tudo isso, mas pelo menos nesse artigo abordaremos o tema “assombração”  e assim podermos começar a substituir o sentimento de preconceito e medo do assunto pelo conhecimento dos fatos, e assim saber o que é realidade ou mentira e os porquês.

O próprio começo da própria Doutrina Espírita foi no intuito de estudar os fenômenos tidos como sobrenaturais que aconteciam em Paris, como o caso das Irmãs Fox e as mesas girantes, onde Allan Kardec começou sua pesquisa científica, como podemos assistir no vídeo abaixo seus apontamentos iniciais.

Dessa forma Allan Kardec pode constatar que tais fenômenos eram causadas por espíritos tentando se comunicar. Iniciando-se assim a Codificação da Doutrina Espírita e todo seu estudo dos fatos, baseado na metodologia científica da observação, repetição e constatação.

Casas Mal Assombradas – Meus Apontamentos

Pré-requisitos:

O que posso explicar sobre o assunto, baseado em tudo que estudei até agora, é bem detalhado na Codificação de Allan Kardec “Livro dos Médiuns” onde relata todas as possibilidades de mediunidade (contato de espíritos com o mundo material). É uma leitura essencial para entender todas as possibilidades naturais inexplicadas, ainda, pela ciência.

A existência dos espíritos entre nós é uma realidade. Se ainda tem dúvida quanto a isso seria interessante ler a obra básica “Livro dos Espíritos” e ainda assistir as vídeo aulas sobre iniciação ao Espiritismo no link abaixo.

http://www.tvespirita.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12:teste&catid=4:cursos&Itemid=5

Agora se quer saber por que eles ficam perambulando por aqui e não vão para o “Céu” ou “Inferno” já é uma questão mais profunda. Caso queiram investigar essa questão aconselho o livro “Céu e Inferno” de Allan Kardec.

Meus Apontamentos

Mas voltando ao assunto, vamos a definição: Casas mal assombradas são ambientes onde existem a presença de espíritos desencarnados e tais espíritos conseguem influenciar fisicamente objetos, criar a sensação de “tato” físico além da produção da mais variada forma de interferência no ambiente.  Em casos mais raros o espírito pode se materializar e tornar-se visível.

Contudo os espíritos para conseguirem atuar no meio material é necessário que eles se utilizem da “energia” de um ser material, ou melhor, de uma pessoa viva (encarnada). Dificilmente há casas mal assombradas onde não há pessoas “vivas”. Sem elas não há doação dessa energia, que no Espiritismo chama-se de Fluido. E não é qualquer pessoa que consegue esse feito. Na Doutrina Espírita chamamos de médiuns, as pessoas capazes de produzir tais fenômenos.

Contudo, pode ocorrer de um apartamento vizinho ter uma pessoa com mediunidade e assim estar produzindo fenômenos em outro apartamento ao lado, onde não há nenhum médium. Tudo isso é possível.

A situação é mais complicada para a pessoa (viva) que é médium. Nesse caso, onde quer que ela esteja, essa pessoa poderá ver espíritos, vultos, efeitos físicos, vozes e tudo mais a todo instante. Se conhece alguém assim, escrevi um artigo sobre isso, antes de chamarem-a de louca, peça pra ler, acredito que irá ajudar :

https://joanadarc.wordpress.com/2008/06/06/sexto-sentido-loucura-de-quem-ve-e-escuta-espiritos-sem-conhecer-o-espiritismo/

Dessa forma existem realmente Casas mal assombradas de verdade! Mas não há nada de fantástico nisso – são fenômenos da natureza ainda não explicados pela ciência – que ainda engatinha nos conhecimentos do plano espiritual.

Logicamente que há muita fraude. A pessoa que estudou o “Livro dos Médiuns” consegue uma boa base teórica para distinguir o que é falso.

O assunto é emocionante e somente a Doutrina Espírita, através das revelações dos próprios espíritos, em psicografia, fornece material para tais explicações. Facilmente pode-se estudar tais assuntos pelos livros indicados e ainda pelas psicografias de Chico Xavier em suas mais de quatrocentas obras.

No vídeo abaixo temos o assunto tratado em forma de entrevista com mais detalhes.

No Link abaixo, trato a questão da pessoa que é médium, e como é importante tais pessoas buscarem o apoio da Doutrina Espírita e Grupos Espíritas para seu próprio equilíbrio:

https://joanadarc.wordpress.com/2008/06/06/sexto-sentido-loucura-de-quem-ve-e-escuta-espiritos-sem-conhecer-o-espiritismo/

Casa mal assombrada na visão espírita, uma referência:

http://grupoallankardec.blogspot.com.br/2012/08/casa-mal-assombrada-na-visao-espirita.html

Bons estudos !

 





Julinho, Júlio Cézar Grandi Ribeiro e Allan Kardec

7 10 2011

 Comemorando 150 anos do Livro dos Médiuns, dedico esse artigo ao grande médium Julinho, o Júlio Cézar Grandi Ribeiro.

Espírita após os 17 anos ultrapassando a barreira social do catolicismo teve uma grande atuação na seara Espírita doando sua mediunidade ao serviço fraterno.

Deixou alguns livros psicografados tais como: “Isto vos Mando”, ”Irthes e Irthes”, “Jornada de Amor”, “Presença Jovem” e “Seara da Esperança” todos editados pela Pedis.

“Era médium de psicografia, psicofonia, pictografia, de efeitos físicos e cura, desencarnou em Serra, região da Grande Vitória, no Estado do Espírito Santo, no próximo passado dia 12 de agosto de 1999. Diabético, esteve internado por cerca de três meses no Hospital Metropolitano, onde ocorreu o passamento. O sepultamento de seu corpo deu-se no Cemitério Jardim da Paz, no bairro de Laranjeiras, onde acorreram grande número de confrades, alunos e pessoas simples a quem ele atendia com desvelo e carinho nas lides espíritas em Vila Velha, no Bairro do Ibes, Espírito Santo.

” Julinho nasceu na cidade de Cachoeiro de Itapemirim no dia 12 de maio de 1935. Filho de Claudionor Ribeiro e Hercília Grandi Ribeiro, ainda encarnada. Formou-se ele em Engenharia e era Professor Universitário na Universidade de seu Estado natal.”

Um dos casos mais conhecidos relata a sua psicografia comprovadíssima do próprio Allan Kardec. Humildemente escondeu a carta que psicografou no Congresso Espírita duvidando de si mesmo, mas logo foi descoberto através de Divaldo como relatamos abaixo. Ainda deixo a mensagem de Allan Kardec. Fenomenal…

“No 1º Congresso Espírita Internacional, em Brasília, numa mesa composta por Divaldo Pereira Franco e outros companheiros, ele , Julinho, recebeu Mensagem assinada por Allan Kardec. Escrupulosamente tentou esconder a mensagem, quando Divaldo Pereira Franco recebeu aviso de Joanna de Ângeles dizendo que a mensagem era autêntica e que deveria ser divulgada. Humildemente ele aquiesceu.” …

Saudação de Allan Kardec

Espíritas Brasileiros,

Eis que vos trago o amplexo de permanente estima e sincero louvor!

Estima que mais se amplia no convívio abençoado dos serviços do bem em nome do Senhor e Mestre. Louvor ante a grandiosa obra que empreendeis em nome da Caridade.

Contudo não vos apresento, na solenidade de profundo significado espiritual para tantos corações, senão o estandarte das vitórias parciais até aqui alcançadas, o qual empunharemos com dignidade e respeito, consciência e bom ânimo, prosseguindo disciplinados em nosso desiderato, rumo ao futuro de sublimadas metas.

Certo, rugem ainda sobre vossas cabeças as línguas de fogo que vos experimentarão nos testemunhos indispensáveis.

A palavra de ordem imperiosa e divina ainda e sempre é o AMOR!

E a recomendação inolvidável para as defensivas do movimento regenerador das almas é INSTRUÇÃO!

Amor que reúne esforços e unifica corações em torno da obra grandiosa que é a evangelização do Homem.

Instrução que identifica interesses comuns nos mesmos ideais, frutificação do estudo nobilitante que sempre defenderá os sagrados patrimônios a VERDADE!

Eis que os legítimos, leais e prestimosos servidores da Seara estão a postos em seus misteres esquivando-se à estagnação das rivalidades improdutivas e fugindo às discórdias vexatórias, quão danosas, fulcro de sombras.

Os méritos dos operários fiéis ao Senhor estão arrolados no acervo das responsabilidades que os situam na incansável batalha pela regeneração da Humanidade.

Apressam-se os tempos…

Cumprir-se-ão todas as afirmativas proféticas!

O homem de bem herdará a Terra!

Nada de novo vos poderei acrescentar aqui ao que já vos tenha dito amplamente enfatizado pelos arautos da grandiloqüente revelação. A Codificação Espírita ainda se vê essencialmente desconhecida de tantos corações que se rotulam de espiritistas, conquanto o movimento regenerador de almas permaneça lucidamente de pé em terras brasileiras.

Saúdo-vos, portanto, espiritistas irmãos, deste bendito Cenáculo da Federação Espírita Brasileira, almejando-vos, junto ao Mestre e Senhor, permanentes e infatigáveis esforços pela evolução individual e pelo avanço evolutivo do próprio orbe onde vos domiciliais na incomensurável Casa do Pai.

Aqui compareço tão-somente na condição de um servidor a mais na causa do Bem, deixando-vos a cordialidade do meu apreço, saúdo-vos uma vez mais respeitoso e gratificado.

    Allan Kardec 

Página psicografada pelo médium Júlio Cezar Grandi Ribeiro, na noite de 02 JAN 1984, na FEB em Brasília (DF),
por ocasião da solenidade comemorativa do I Centenário da Casa-Máter do Espiritismo no Brasil
e transferência da sua Sede Central para Brasília

Abaixo ainda um vídeo de Julinho em palestra Espírita…

O movimento de Jesus através do Espiritismo agradece.





A Vigilância e Luiz Gasparetto no Jô Soares

1 10 2010

A Doutrina Espírita é cercada de cuidados e recomendações de vigilância para justamente evitar entrar em caminhos que levem a reações desconhecidas, preconceito, julgamentos e falta de credibilidade. Como diz um sábio da antiguidade, tudo nos é permitido – mas nem tudo nos convém. Assim com nossa livre vontade devemos seguir com vigilância o nosso caminho.

“Luiz Antonio Alencastro Gasparetto (São Paulo, 16 de agosto de 1949) é um psicólogo de formação, médium psicopictográfico, escritor e locutor brasileiro. Gasparetto obteve reputação mundial no final da década de 1970 e durante quase toda a década de 1980 por excursionar a Europa com Elsie Dubugras a fim de mostrar os trabalhos que, supostamente, famosos artistas pláticos — como Renoir, Da Vinci, Rembrandt, Toulouse-Lautrec, Modigliani, Picasso, Monet,[1] entre outros — realizavam através de sua mediunidade.[2] Wikipédia

Contudo hoje me deparei com um vídeo  muito interessante do Luiz Gasparetto em entrevista com Jô Soares. O conhecimento que tinha sobre sua vida referia-se a pintura de quadros  por espíritos divulgando o Espiritismo e sabia de sua incrível mediunidade. Desconheço as dificuldades que teve, mas tive uma certa decepção ao verificar o caminho que o Luiz e família tomaram abandonando a Doutrina Espírita e criando uma Editora e um Centro de auto-promoção e renda. Ao mesmo tempo, é claro, busquei o sentimento de respeito pela sua atitude e desejo que tenham muito sucesso em sua jornada  nesse nosso planeta onde todos temos provas e expiações…

A partir da década de 80, rompe com a doutrina espírita e empenha-se em projetos ligados à psicologia, auto-ajuda e espiritualidade, escrevendo livros e ministrando cursos com o objetivo do desenvolvimento do ser. Mais recentemente, porém, em 2009, realizou algumas pinturas mediúnicas em seu Espaço Vida e Consciência. Atualmente, mantém suas atividades ligadas à Nova Era com uma literatura metafísica e com a criação do “teatro de auto-ajuda”[3] ampliando, também, seu veículo de comunicação com o programa de rádio Gasparetto Conversando Com Você na Rádio Mundial.” Wikipedia”

Mas um dos problemas do molde auto-ajuda obtendo renda dela é o descrédito. Assim a tendência de seu caminho infelizmente é para receber acusações de fraude e acabar por desmerecer todo um belo trabalho, como já se pode verificar nos links no final desse artigo e na própria entrevista do Jô Soares – quando ironiza a questão do magnetismo dele para um defeito no veículo (no fim) – apesar da bela mensagem que o Luiz transmite de esperança e vida após a morte.

Toda crítica quando temos a certeza de nossa boa fé  e bom trabalho ficamos leves acima das pedras. Espero que a nova era de auto-ajuda – espiritualista – do Luiz possa seguir iluminado na prática do bem, pois sem sintonia com espíritos elevados não há boa pintura, não há elevadas psicografias como explica o Link ao final desse artigo do Jornal Espírita.

O passo seguinte, envolvendo o fechamento do centro em 1995, marcou o rompimento definitivo da família Gasparetto com a doutrina espírita, principalmente no que se refere ao exercício da mediunidade como prática de doação. Desde meados da década de 1980 os livros de Zíbia e Luiz Gasparetto passaram a ser editados por uma editora de propriedade da família, transferindo-se assim a renda das atividades filantrópicas para a apropriação pessoal dos direitos autorais. Wikipédia

Que a Doutrina Espírita e o movimento Espírita siga sem deturpações, inabalável de questionamentos de dúvida, falsidade ou má fé – na missão de auxílio ao próximo através da prática da caridade que nos ilumina e dá bases a mediunidade gratuita.

1

2

Links

Análise da atitude da família Gasparetto pela Doutrina Espírita:

http://www.jornaldosespiritos.com/4.2006.1/ultima_hora.htm

Produzindo críticas e alimentando Blogs de baixo nível:

http://blogdevaneio.blogspot.com/2009/03/serie-charlatanismo-gasparetos-lexico.html

http://desciclo.pedia.ws/wiki/Zibia_Gasparetto

Criando discussão em fóruns:

http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/uma-fraude-chamada-zibia-gasparetto/

Chico Xavier sobre uma recomendação importante de seu mentor espiritual Emmanuel:

“Lembro-me de que num dos primeiros contactos comigo, ele me preveniu que pretendia trabalhar ao meu lado, por tempo longo, mas que eu deveria, acima de tudo, procurar os ensinamentos de Jesus e as lições de Allan Kardec e disse que se um dia, ele, Emmanuel, algo me aconselhasse que não estivesse de acordo com as palavras de Jesus e Kardec, que eu devia permanecer com Jesus e Kardec, procurando esquecê-lo.”





Carlos Juliano Torres Pastorino e sua obra prima proibida

13 05 2010

Quem nunca entrou em contato com alguma obra do Pastorino, como a série “Minutos de Sabedoria” ?Abaixo uma pequena biografia desse grande Espírito:

“Filho de José Pastorino e sua esposa, Eugênia Torres Pastorino, estudou no Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro onde, em 1924, recebeu os diplomas de Geografia, Corografia e Cosmografia, e pouco depois, o de bacharel em Português.

Foi para Roma a fim de cursar o Seminário, vindo a diplomar-se, em 1929, pelo cardeal Basilio Pompili, para a Ordem Menor de Tonsura. Ordenou-se em 1934. Em 1937 ante a recusa do Papa Pio XII em receber o Mahatma Gandhi em seu traje habitual decidiu abandonar a batina, raciocinando que o célebre pacifista indiano vestia-se como Jesus, e que, como este jamais se sujeitaria ao rigor formalista da Igreja Católica.

De volta ao Brasil, lecionou Latim e Grego no Instituto Ítalo-Brasileiro de Alta Cultura. Lecionou ainda Espanhol. Nesse período começou a exercer atividades jornalísticas, como correspondente dos Diários Associados. Foi adido cultural e jornalístico da Academia Brasileira de Belas Artes.

Sócio de inúmeras sociedades esperantistas, no país e no exterior, foi delegado especializado (“Faka Delegito”) da Universidade Esperanto Asocio, com sede nos Países Baixos. Nessa militância, foi fundador da Sociedade Brasileira de Esperanto, no Rio de Janeiro.

No dia 31 de maio de 1950, concluiu a leitura de “O Livro dos Espíritos”, que recebera por empréstimo de um colega do Colégio Pedro II. Nessa data declarou-se espírita, e guardava-a com muito carinho. Passou a freqüentar o “Centro Espírita Júlio César”, no bairro do Grajaú, que foi a sua escola inicial de Espiritismo.

Em 8 de janeiro de 1951, com um grupo de amigos, fundou o “Grupo Espírita Boa Vontade”, posteriormente renomeado como “Grupo de Estudos Spiritus” que, com a ajuda do coronel Jaime Rolemberg de Lima, deu origem ao Lar Fabiano de Cristo, à CAPEMI e ao boletim espírita SEI (Serviço Espírita de Informações). Fundou a Livraria e Editora Sabedoria e a revista com o mesmo nome. Realizou palestras sobre a doutrina não apenas no estado do Rio de Janeiro como em outros no país.

Chegou a projetar a construção de uma Universidade Livre, em Brasília, para onde se mudou em 1973 mas faleceu antes de ver concretizado esse sonho.

Pastorino teve cinco filhos, de dois casamentos.” Fonte: Wikipédia

O mais interessante contudo, com os anos de estudos espíritas, foi a publicação da obra “Técnicas da Mediunidade” – uma semente plantada – para que “a capacidade do ser humano entrar em contato com os espíritos” seja estudada de forma científica. Tratando de uma verdadeira obra prima de estudos sobre a natureza humana ainda desconhecida por muitos com bases em conteúdos da teoria física e biológica atual.

Uma obra de tamanha importância que não poderia tão facilmente ganhar público – publicada em 1968 teve as edições póstumas proíbidas por forças naturais negativas que acham alimento nas portas abertas do preconceito que todos temos.

Contudo sua obra é facilmente acessível via download na internet, no link abaixo, por exemplo, e em milhares de outras fontes de troca de dados. Já se foi o tempo em que os livros eram queimados em praças públicas, a internet é democrática bastante para nos ajudar e eternizar fontes importantes como essa:

http://autoresespiritasclassicos.com/Pastorinho/Tecnicas%20da%20Mediunidade/Torres%20Pastorino%20-%20A%20Obra%20-%20T%C3%A9cnica-da%20Mediunidade.htm

Certamente o Autor aguarda os estudos mais profundos de ordem científico – técnico que devem ser trilhados em suas bases sugestivas dessa grande obra.

Abaixo uma passagem em audio dos “Minutos de Sabedoria”:





Malhando o colega, o professor, o irmão, os pais… E os resultados da maledicência ?

30 08 2009

Na reforma íntima, que todos devemos praticar, uma das questões mais comum refere-se a maledicência. Quem nunca colocou uma pessoa “para baixo” apontando um defeito  pessoal de um colega, ou ainda pior, algo negativo de alguem sem a devida certeza ? Ainda muitas vezes tal procedimento negativo é feito diante de outras pessoas ou para outras pessoas sem o principal interessado ao menos saber…

E por incrível que pareça geralmente falamos mal do próximo sem perceber. Algo automático já entranhado em nossa mente pelos processos educativos  falhos ou errôneos. Assim todos, sem exceção devemos estar atentos a essa questão. A todo momento devemos nos perguntar e vigiar para não agredir ninguém.

Quero que fique claro que educar, dando o bom exemplo e solicitando uma melhor atitude é uma coisa. Falar mal e apontar as características pessoais negativas é outra.

O melhoramento pessoal é uma tarefa de todos nós através do auto-conhecimento e da prática da reforma íntima para combater todos os nossos desvios que inevitavelmente temos.

Devemos ter em mente que ao falar negativamente do próximo estamos produzindo energias ou fluidos negativas contra uma pessoa. Toda ação possui uma reação, que retorna a nós mesmos (3° Lei Newton). Portante iremos colher isso no futuro, além de estarmos abrindo oportunidades para doenças físicas.

Deixo o convite para termos mais atenção a esse problema com a leitura abaixo de uma passagem da vida de Judas pelo espírito Irmão X. Logo após um pequeno resumo da trajetória desse Espírito tão importante.

DO APRENDIZADO DE JUDAS

“Não obstante amoroso, Judas era, muita vez, estouvado e inquieto. Apaixonara-se pelos ideais do Messias, e, embora esposasse os novos princípios, em muitas ocasiões surpreendia-se em choque contra eles. Sentia-se dono da Boa-Nova e, pelo desvairado apego a Jesus, quase sempre lhe tornava a dianteira nas deliberações importantes. Foi assim que organizou a primeira bolsa de fundos da comunhão apostólica e, obediente aos mesmos impulsos, julgou servir à grande causa que abraçara, aceitando a perigosa cilada que redundou na prisão do Mestre.

Apesar dos estudos renovadores a que sinceramente se entregara, preso aos conflitos íntimos que lhe caracterizavam o modo de ser, ignorava o processo de conquistar simpatias. Trazia constantemente nas lábios, uma referência amarga, um conceito infeliz.

Quando Levi se reportava a alguns funcionários de Herodes, simpáticos ao Evangelho, dizia, mordaz: – São víboras disfarçadas. Sugam o erário público, bajulam sacerdotes e deixam-se pisar pelo romano dominador… A meu parecer, não passam de espiões.. O companheiro ouvia tais afirmativas, com natural desencanto, e os novos colaboradores dele se distanciavam menos entusiasmados. Generosa amiga de Joana de Cusa ofereceu, certo dia, os recursos precisos para a caminhada do grupo, de Cafarnaum a Jerusalém. Porém, recebendo a importância, o apóstolo irrefletido alegou, ingratamente: – Guardo a oferta; contudo, não me deixo escarnecer. A doadora pretende comprar o reino dos Céus, depois de haver gozado todos os prazeres do reino da Terra. Saibam todos que este ó um dinheiro impuro, nascido da iniqüidade. Estas palavras, pronunciadas diante da benfeitora, trouxeram-lhe indefinível amargura.

Em Cesareia, heróica mulher de um paralítico, sentindo-se banhada pelos clarões do Evangelho, abriu as portas do reduto doméstico aos desamparados da sorte. Órfãos e doentes buscaram-lhe o acolhimento fraternal. O discípulo atrabiliário, no entanto, não se esquivou à maledicência: – E o passado dela? – clamou cruelmente – o marido enfermou desgostoso pelos quadros tristes que foi constrangido a presenciar. Francamente, não lhe aceito a conversão. Certo, desenvolve piedade fictícia para aliciar grandes lucros. A senhora, duramente atingida pelas descaridosas insinuações, paralisou a benemerência iniciante, com enorme prejuízo para os filhos do infortúnio.

Quando o próprio Messias abençoou Zaqueu e os serviços dele, exclamou Judas, indignado, às ocultas: – Este publicano pagará mais tarde. Escorcha, os semelhantes, rodeia-se de escravas, exerce avareza, sórdida e ainda, pretende o Raiz, o Divino!… Não irá longe… Enganara o Mestre, não a mim… Alimentando tais disposições, sofria a desconfiança de muitos. De quando em quando, via-se repelido delicadamente.

Jesus, que em silêncio lhe seguia as atitudes, aconselhava prudência, amor e tolerância. Mal não terminava, porém, as observações carinhosas, chegava Simão Pedro, por exemplo, explicando que Jeroboão, fariseu simpatizante da Boa-Nova, parecia inclinado a ajudar o Evangelho renascente. – Jeroboão? – advertia Judas, sarcástico – aquilo é uma raposa de unhas afiadas. Mero fingimento! Conheço-o há vinte anos. Não sabe senão explorar o próximo e amontoar dinheiro. Houve tempo em que chegou a esbordoar o próprio pai, porque o infeliz lhe desviou meia pipa de vinho!…

A verdade, porém, é que as circunstâncias, pouco a pouco, obrigaram-no a insular-se. Os próprios companheiros andavam arredios. Ninguém lhe aprovava as acusações impulsivas e as lamentações sem propósito. Apenas o Cristo não perdia a paciência. Gastava longas horas, encorajando-o e esclarecendo-o afetuosamente… Numa tarde quente e seca, viajavam ambos, nos arredores de Nazaré, cansados de jornada comprida, quando o filho de Kerioth indagou, compungido: – Senhor, por que motivos sofro tão pesadas humilhações? Noto que os próprios companheiros se afastam cautelosos de mim… Não consigo fazer relações duradouras. Há como que forçada separação entre meu espírito e os demais… Sou incompreendido e vergastado pelo destino… E levantando os olhos tristes para o Divino Amigo, repetia : – Por quê?!… Jesus ia responder, condoído, observando que a voz do discípulo tinha lágrimas que não chegavam a cair, quando se acercaram, subitamente, de poço humilde, onde costumavam aliviar a sede. Judas que esperava ansioso aquela bênção, inclinou-se, impulsivo e, mergulhando as mãos ávidas no líquido cristalino, tocou inadvertidamente o fundo, trazendo largas placas de lodo à tona. Oh! Oh! Que infelicidade! – gritou em desespero.

O mestre bondoso sorriu calmamente e falou: – Neste poço singelo, Judas, tens a lição que desejas. Quando quiseres água pura, retira-a com cuidado e reconhecimento. Não há necessidade de alvoroçar a lama do fundo e das margens. Quando tiveres sede de ternura e amor, faze o mesmo com teus amigos. Recebe-lhes a cooperação afetuosa sem cogitar do mal, a fim de que não percas o bem supremo. Pesado silêncio caiu entre o benfeitor e o tutelado. O apóstolo invigilante modificou a expressão do olhar, mas não respondeu. ” (Pelo Espírito Irmão X – Do livro: Luz Acima, Médium: Francisco Cândido Xavier.)

SOBRE: Humberto de Campos (pseudônimo: Irmão X)

Humberto de Campos nasceu na pequena localidade de Piritiba, no Maranhão, em 1886.

Foi menino pobre. Estudou com esforço e sacrifício. Ficou órfão de pai aos 5 anos de idade. Sua infância foi marcada pela miséria. Em sua “Memórias”, ele conta alguns episódios que lhe deixaram sulcos profundos na alma.

Tempo depois, mudou-se para o Rio de Janeiro, então Capital da República, onde se tornou famoso. Brilhante jornalista e cronista perfeito, suas páginas foram “colunas” em todos os jornais importantes do País.

Dedicou-se inteiramente à arte de escrever, e por isso eram parcos os recursos financeiros. A certa altura da sua vida, quando minguadas se fizeram as economias, teve a idéia de mudar de estilo.

Adotando o pseudônimo de Conselheiro XX, escreveu uma crônica chistosa a respeito da figura eminente da época – Medeiros e Albuquerque-, que se tornou assim motivo de riso, da zombaria e da chacota dos cariocas por vários dias.

O Conselheiro, sibilino e mordaz, feriu fundo o orgulho e a vaidade de Medeiros, colocando na boca do povo os argumentos que todos desejavam assacar contra Albuquerque. O sucesso foi total.

Tendo feito, por experiência, aquela crônica, de um momento para outro se viu na contingência de manter o estilo e escrever mais, pois seus leitores multiplicaram, chovendo cartas às redações dos jornais, solicitando novas matérias do Conselheiro XX.

Além de manter o estilo, Humberto se foi aprofundando no mesmo, tornando-se para alguns, na época, quase imortal, saciando o paladar de toda uma mentalidade que desejava mais liberdade de expressão e mais explicitude na abordagem dos problemas humanos e sociais.

Quando adoeceu, modificou completamente o estilo. Sepultou o Conselheiro XX, e das cinzas, qual Fênix luminosa, nasceu outro Humberto, cheio de piedade, compreensão e entendimento para com as fraquezas e sofrimentos do seu semelhante.

A alma sofredora do País buscou avidamente Humberto de Campos e dele recebeu consolação e esperança. Eram cartas de dor e desespero que chegavam às suas mãos, pedindo socorro e auxílio. E ele, tocado nas fibras mais sensíveis do coração, a todas respondia, em crônicas, pelos jornais, atingindo milhares de leitores em circunstâncias idênticas de provações e lágrimas.

Fez-se amado por todo o Brasil, especialmente na Bahia e São Paulo. Seus padecimentos, contudo, aumentavam dia-a-dia. Parcialmente cego e submetendo-se a várias cirurgias, morando em pensão, sem o calor da família, sua vida era, em si mesma, um quadro de dor e sofrimento. Não desesperava, porém, e continuava escrevendo para consolo de muitos corações.

A 5 de dezembro de 1934, desencarnou. Partiu levando da Terra amargas decepções. Jamais o Maranhão, sua terra natal, o aceitou. Seus conterrâneos chegaram mesmo a hostilizá-lo.

Três meses apenas de desencarnado, retornou do Além, através do jovem médium Chico Xavier, este, com 24 anos de idade somente, e começou a escrever, sacudindo o País inteiro com suas crônicas de além-túmulo.

O fato abalou a opinião pública. Os jornais do Rio de Janeiro e outros estados estamparam suas mensagens, despertando a atenção de toda gente. Os jornaleiros gritavam. Extra, extra! Mensagens de Humberto de Campos, depois de morto! E o povo lia com sofreguidão…

Agripino Grieco e outros críticos literários famosos examinaram atenciosamente a produção de Humberto, agora no Além. E atestaram a autenticidade do estilo. “Só podia ser Humberto de Campos!” – afirmaram eles.

Começou então uma fase nova para o Espiritismo no Brasil. Chico Xavier e a Federação Espírita Brasileira ganharam notoriedade. Vários livros foram publicados.

Aconteceu o inesperado. Os familiares de Humberto moveram uma ação judicial contra a FEB, exigindo os direitos autorais do morto!

Tal foi a celeuma, que o histórico de tudo isto está hoje registrado num livro cujo título é “A Psicografia ante os Tribunais”, escrito por Dr. Miguel Timponi.

A Federação ganhou a causa. Humberto, constrangido, ausentou-se por largo período e, quando retornou a escrever, usou o pseudônimo de Irmão X.

Nas duas fases do Além, grafou 12 obras pelo médium Chico Xavier.

“Crônicas de Além-Túmulo”, “Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho”, “Boa Nova”, “Novas Mensagens”, “Luz Acima”, “Contos e Apólogos” e outros foram livros que escreveu para deleite de muitas almas.

Nas primeiras mensagens temos um Humberto bem humano, com características próprias do intelectual do mundo. Logo depois, ele se vai espiritualizando, sutilizando as idéias e expressões, tornando-se então o escritor espiritual predileto de milhares.

Os que lerem suas obras de antes, e de depois, de morto, poderão constatar a realidade do fenômeno espírita e a autenticidade da mediunidade de Chico Xavier.

O mesmo estilo, o mesmo estro!

Fonte: Revista REFLEXÕES. Edição n.º 5 – Maio de 1999 – Fernandópolis.






Interferências Espirituais em nossas vidas

8 01 2009

Livro dos Espíritos - Allan Kardec 459 Os Espíritos influem sobre nossos pensamentos e ações?
– A esse respeito, sua influência é maior do que podeis imaginar. Muitas vezes são eles que vos dirigem.

No Livro dos Espíritos, a pergunta 459 é extremamente importante por nos alertar que nós, espíritos encarnados, somos muito influenciados por espíritos desencarnados. Ou seja, muitos de nossos pensamentos, situações, desejos, acontecimentos e coincidências podem ser de influência de espíritos desencarnados – invisíveis a nós por eles estarem sem o corpo físico.

É muito complexo essa situação e necessita do leitor um prévio conhecimento dos esclarecimentos que Allan Kardec codificou pela obra trazida pelo Espírito da Verdade em psicografias através principalmente do “Livro dos Espíritos”, “Livro dos médiuns”, “Evangelho Segundo o Espiritismo”. Foram obras psicografadas em método científico onde as mesmas questões eram feitas e produzidas para várias pessoas dotadas da capacidade de psicografia em cidades diferentes para serem comparadas e finalmente organizadas em várias obras.

Portanto, caso o leitor se interesse pelo assunto aconselho a começar os estudos pelo “Livro dos Espíritos” disponível para download nesse blog ou facilmente encontrado a venda na internet ou livraria espírita. Independente de religião é uma leitura que pode mudar caminhos.

Contudo o propósito desse pequeno texto seria esclarecer uma questão polêmica – referente ao que se chama de bruxaria, cartomante, vidente, trabalho ou outro tipo de consulta que se diz espiritual ou busca resolver problemas pessoais, geralmente de cunho material, por meio de cobrança financeira.

Isso ocorre porque o livre arbítrio fornece total liberdade para cada indivíduo decidir entre o bem e o mal. E muitos escolhem o caminho do mal, do egoísmo, geralmente por desconhecer das leis da vida, pois não sabem que tudo o que se pratica ao próximo, seja ele quem for, retorna para ele mesmo nessa vida ou numa próxima ( 3° lei de Isaac Newton) .

Portanto, existem pessoas que se dizem possuidoras de dons espirituais avançados e são apenas charlatões, existem também pessoas que possuem dons e estão no caminho certo – exemplificando Jesus – e infelizmente, existem também pessoas com dons que dispõe deles para proveito próprio.

Os tipos de faculdades extra-sensoriais e magnéticos que o homem pode ter são inúmeros (todos explicados na obra “Livro dos médiuns”) inclusive existindo o caso popular do “olho gordo” personificado com o “Zeca Pimentel” na Tv.

É interessante ressaltar que geralmente todo o dom que um ser humano possui são responsabilidades que o indivíduo tem de aplicá-lo para o bem, para o auxílio do próximo, para a doação caridosa buscando geralmente cobrir suas dívidas de vidas passadas.

Portanto as pessoas com esses poderes, que os Espiritismo define como médiuns, são na maioria das vezes pessoas com dívidas no passado dotadas agora de dons especiais para resgatá-las usando-os  para o bem comum.

A grande prova de vida para o médium está na dificuldade da escolha entre seguir o bem pela caridade exemplificando Jesus ou cair em tentação, buscando vantagens materiais e pessoais. São dois caminhos. Felizmente as religiões são auxílios para melhor trilhar o caminho seguro da caridade e ajudam em muito.

Uma curiosidade interessante de verificar é que existem pessoas-médiuns com esses dons em todas as religiões. Eu mesmo já conheci um padre que possuía a mediunidade da clarividência, podendo prever o futuro. Não quero comparar religiões nem pretendo buscar pessoas para mudarem de religião, contudo acho indispensável que todos tenham acesso e estudem a obra de Allan Kardec para ter bases concretas e seguras do caminho a seguir.

Assim, podemos dizer que existem pessoas com dons mediúnicos diversos – é uma realidade – e elas possuem o livre arbítrio para usarem esses dons como disporem.

Na parte de dúvidas e perguntas desse blog um caro irmão levanta então uma questão interessante a respeito desse tema:

É possível um espírito encarnado ou desencarnado interferir sobre a vida e/ou os negócios de uma pessoa? Se a resposta for afirmativa, o que devemos fazer para interceptar essa interferência?

Como verificamos que existe influência do mundo espiritual sobre nós, resta saber como acabar com influências negativas.

É uma resposta que também necessita de estudos prévios de pelo menos “O Livro dos Espíritos” onde nos revela as seguintes respostas nas perguntas 551 e 549:

551. Pode um homem mau, com o auxílio de um mau Espírito que lhe seja dedicado, fazer mal ao seu próximo?
“Não; Deus não o permitiria.”

549. Algo de verdade haverá nos pactos com os maus Espíritos?
“Não, não há pactos. Há, porém, naturezas más que simpatizam com os maus Espíritos. Por exemplo: queres atormentar o teu vizinho e não sabes como hás de fazer. Chamas então por Espíritos inferiores que, como tu, só querem o mal e que, para te ajudarem, exigem que também os sirvas em seus maus desígnios. Mas, não se segue que o teu vizinho não possa livrar-se deles por meio de uma conjuração oposta e pela ação da sua vontade. Aquele que intenta praticar uma ação má, pelo simples fato de alimentar essa intenção, chama em seu auxílio maus Espíritos, aos quais fica então obrigado a servir, porque dele também precisam esses Espíritos, para o mal que queiram fazer. Nisto apenas é que consiste o pacto.”

Vejam que nada de mal pode ocorrer contrariando as leis da natureza Divina a um indivíduo. Um espírito não pode nos fazer mal. Contudo na pergunta 549 podemos verificar que pode existir tormentos – o que nada mais é do que as influências espirituais que somos passíveis de recepção, como relata a pergunta 459.

Contudo a resposta para nos livrarmos dessas influências está bem clara:

“Conjuração oposta e pela ação da sua vontade.”

A conjuração oposta nada mais é do que repelir o mal com o bem, com nossa vontade de não ceder aos convites do mal que os espíritos desinformados nos sugerem em nossa mente. Assim, devemos ter pensamentos e principalmente ter ações no bem para construirmos sempre maiores proteções. A prática da caridade é fundamental nos dias de hoje para nos afastar de qualquer influência de espíritos maus e ignorantes das leis da vida. Interessante observar que todo Grupo Espírita possui uma obra de caridade a pessoas menos favorecidas em suas dependências, sempre oferecendo aos freqüentadores a possibilidade de ingresso ao quadro assistencial.

Em seguida devemos ter vontade e firmeza de manter nossos pensamentos no bem, dentro da moral e ética. Talvez esse seja a mais difícil tarefa, pois necessita usar da reforma íntima para nos auto-avaliarmos e buscarmos corrigir nossos próprios defeitos e fraquezas.

No link abaixo tenho algumas sugestões de como buscar bases para reforma íntima:

https://joanadarc.wordpress.com/2007/05/15/bases-para-nossa-reforma-intima-num-mundo-sem-educacao/

Espero ter contribuído para um melhor entendimento do que é um médium, para que ele veio ao mundo e de como devemos buscar nosso aprimoramento moral.





Sexto Sentido: Loucura de quem vê e escuta espíritos sem conhecer o Espiritismo.

6 06 2008

Muitas pessoas vêem e escutam espíritos. E não é nada fácil para quem não conhece a Doutrina Espírita lidar com isso.

“Todo aquele que sente, num grau qualquer a influência dos Espíritos é, por esse fato, médium. Essa faculdade é inerente ao homem…” (Kardec, Allan. Livro dos Espíritos)

O melhor caminho é o estudo sistemático da Doutrina Espírita com uma constante reforma íntima e assiduidade de freqüência a uma Casa Espírita.

Imagine quem não conhece a Doutrina Espírita… Tema até abordado no filme “O Sexto Sentido” como uma aventura de muito suspense. Apesar do filme tratar o assunto de forma sensacional justamente para compor o enredo do filme, fico pensando como deve ser problemático essa situação… Muitos devem pensar que são até mesmo loucos! Contudo o Espiritismo está ao nosso alcance através dos livros da codificação da Doutrina por Allan Kardec em livrarias e na internet.

O desconhecimento do Espiritismo é muito grande e diante do mundo atual, independente de religião, se faz urgente o seu conhecimento através de uma leitura atenta de sua obra.

“O que é Espírito? Espírito é a alma desprendida do corpo físico após sua morte. O corpo morre, assim a alma torna-se um Espírito.”

Podemos receitar um roteiro básico para iniciar um estudo sistemático da obra:

1) Livro dos Espíritos – Allan Kardec – Codificação básica da obra em formato de perguntas e respostas (Allan Kardec pergunta e o Espírito da Verdade responde);

2) Juntamente a obra inicial pode-se estar lendo um livro resumidor da obra como “Espiritismo – Tudo o que você precisa saber.” de Richard Simonetti.

2) Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec. Explica a luz do Espiritismo as palavras de Jesus. Muito bom para reunir a família em estudo no lar.

3) As obras do espírito André Luiz psicografado por Chico Xavier.

4) “Livro dos Médiuns” de Allan Kardec.

Depois da leitura e estudo dessas obras básicas, o leitor pode escolher outras obras mais diversificadas como “Memórias de um Suicida”, por exemplo.

LINKS RECOMENDADOS:

Download gratuito da obra Espírita no link abaixo:

http://www.espirito.org.br/portal/download/pdf/index.html

“Quem é quem???????

Espírito Santo, Anjos, Amigos Invisíveis – são Espíritos bem instruídos conhecedores das leis de Deus e que praticam o bem.

Demônios, Satanás – são Espíritos desinformados das leis de Deus que praticaram o mal e ainda buscam tormentos e obsessões.

Nós humanos – podemos nos tornar ao morrer tanto bons anjos como demônios – depende de nossas ações, pois nós também somos espíritos !”

Abaixo temos um caso real de uma pessoa que possuía grande capacidade mediúnica sofrendo muito até conhecer o Espiritismo. Felizmente consegui harmonizar-se e produzir muitos frutos trabalhando por Jesus na Doutrina Espírita…

Biografia de Peixotinho: Um caso REAL !

Francisco Peixoto Lins (Peixotinho)

“Nasceu na cidade de Pacatuba, Estado do Ceará, no dia 1º de fevereiro de 1905, desencarnando na cidade de Campos, Estado do Rio de Janeiro, 16 de junho de 1966.

Seus pais foram Miguel Peixoto Lins e Joana Alves Peixoto. Bem cedo ficou órfão de pai e mãe e passou a conviver com seus tios maternos, em Fortaleza, Estado do Ceará, onde fez o curso primário. Em seguida matriculou-se no Seminário Católico, de acordo com o desejo de seus tios, que desejavam vê-lo seguir a carreira eclesiástica. No Seminário sofreu várias penas disciplinares por manifestar a seus educadores dúvidas sobre os dogmas da Igreja. Observando as desigualdades humanas, tanto no campo físico como no social, ficou em dúvida no tocante à paternidade e bondade de Deus. Se todos eram seus filhos, por que tantas diversidades? Indagava. Por que razões insondáveis uns nascem fisicamente perfeitos e outros deformados? Uns portadores de virtudes angelicais e outros acometidos de mau caráter? Dizia então: “Se Deus existe, não é esse ser unilateral de que fala a religião católica.” Desejava saber e inquiria os seus confessores, os quais, diante das indagações arrojadas do menino, usavam o castigo e a penitência como corretivo.

Aos 14 anos de idade desistiu do Seminário e, com a permissão dos tios, transferiu-se para o Estado do Amazonas, em busca de melhores dias, enfrentando os trabalhos árduos dos seringais. Ali trabalhou cerca de dois anos, resolvendo voltar para Fortaleza. Nessa fase de sua vida, nele se manifestaram os primeiros indícios de sua extraordinária mediunidade, sob a forma de terrível obsessão. Envolvido por espíritos menos esclarecidos, era tomado de estranha força física, tornando-se capaz de lutar e vencer vários homens, apesar de Ter menos de 18 anos e ser fisicamente franzino. Esse estado anômalo acontecia a toda hora e Peixotinho, temendo conseqüências mais graves, deliberou não mais sair de casa. Ali ficou acometido de nova influenciação dos espíritos trevosos, ficando desprendido do corpo cerca de 20 horas, num estado cataléptico, quase chegando a ser sepultado vivo, pois seus familiares o tinham dado como desencarnado.

Depois desse episódio, sofreu uma paralisia que o prostrou num leito de dor durante seis meses. Nessa fase, um dos seus vizinhos, membro de uma sociedade espírita de Fortaleza, movido de íntima compaixão pelos seus sofrimentos, solicitou permissão à sua família, para prestar-lhe socorro espiritual, com passes e preces. Ninguém em sua casa tinha conhecimento do Espiritismo e seus familiares também não atinavam com o verdadeiro estado do paciente, uma vez que o tratamento médico a que se submetia não lhe dava qualquer esperança de restabelecimento. O seu vizinho iniciou o tratamento com o Evangelho no Lar, aplicando-lhe passes e dando-lhe a beber água fluida. A fim distrair-se, Peixotinho começou a ler alguns romances espíritas e posteriormente as obras da Codificação Kardequiana. Em menos de um mês apresentava sensível melhora em seu estado físico e progressivamente foi libertando-se da falsa enfermidade.

Logo que conseguiu andar, passou a freqüentar o Centro Espírita onde militava o grande tribuno Vianna de Carvalho, que na época estava prestando serviço ao Exército Nacional em Fortaleza. A terrível obsessão foi a sua Estrada de Damasco. O conhecimento da lei da reencarnação veio equacionar os velhos problemas que atormentavam a sua mente, dirimindo todas as dúvidas que o Seminário não conseguira desfazer. Passou assim a compreender a incomensurável bondade de Deus, dando a mesma oportunidade a todos os seus filhos na caminhada rumo à redenção espiritual.

Orientado pelo major Vianna de Carvalho, Peixotinho iniciou o seu desenvolvimento mediúnico. Tornou-se um dos mais famosos médiuns de materializações e efeitos físicos. Por seu intermédio produziram-se as famosas materializações luminosas e uma série dos mais peculiares fenômenos, tudo dentro da maior seriedade e nos moldes preceituados pela Doutrina Espírita.

Em 1926, foi convocado para o serviço militar e transferido para o Rio de Janeiro, sendo incluído em um batalhão do exército, na cidade fluminense de Macaé. Ali se dedicou com amor à prática do Espiritismo e, com um grupo de abnegados companheiros, fundou o Centro Espírita Pedro, instituição que por muito tempo se tornou a sua oficina de trabalho.

Em 1933, consorciou-se com Benedita Vieira Fernandes, de cujo matrimônio tiveram vários filhos. Por força da sua carreira militar, foi transferido várias vezes, servindo em Imbituba, Santa Catarina; Santos, São Paulo; no antigo Distrito Federal e em Campos, Rio de Janeiro. Onde chegava, procurava logo servir à causa espírita.

No ano de 1945, na cidade do Rio de Janeiro, encontrou-se com vários confrades, dentre eles Antônio Alves Ferreira, velho companheiro no Grupo Espírita Pedro, de Macaé. Nessa época passou a freqüentar o Culto Cristão no Lar, realizado sistematicamente na residência daquele confrade. Posteriormente, unindo-se a Jacques Aboab e Amadeu Santos, resolveram fundar o Grupo Espírita André Luiz, que inicialmente funcionou na Rua Moncorvo Filho, 27, onde se produziram, pela sua mediunidade, as mais belas sessões de materializações luminosas, as quais ensejaram ao Dr. Rafael Ranieri a oportunidade de lançar um livro com esse mesmo título. Peixotinho prestava também o seu valioso concurso como médium receitista e curador.

No ano de 1948, encontrando-se pela primeira vez com o médium Francisco Cândido Xavier, na cidade de Pedro Leopoldo, teve a oportunidade de propiciar aos confrades daquela cidade, belíssimas sessões de materializações e assistência aos enfermos.

Em 1949 foi transferido definitivamente para a cidade de Campos, onde participou dos trabalhos do Grupo Joana D’Arc. Fundou também o Grupo Espírita Araci, em homenagem ao seu guia espiritual.

Peixotinho sofria de broncopneumonia, enfermidade que lhe causava muitos dissabores, porém ele suportava tudo com estoicismo, o mesmo podendo-se dizer das calúnias de que foi vítima, como são vítimas todos os médiuns sérios que se colocam a serviço do Evangelho de Jesus, dando de graça o que de graça recebem. ”

(fonte: Centro Espírita Nosso Lar – http://www.cenl.com.br/biografias/franciscopeixoto.htm )

Abaixo as explicações de Divaldo sobre Mediunidade e Doutrina Espírita…





Relatório Final de Estágio para professor

21 02 2008

Finalmente concluí meu curso de Formação Docente. Todo o curso é muito interessante e acrescenta muito para que o profissional possa desempenhar muito bem a função de professor.

Pelas normas do MEC e repassado a nós pela Faculdade Universo, que atuou com muita seriedade e fidelidade as normas, temos abaixo um roteiro do estágio:

ETAPAS PARA A ORGANIZAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

1. CAPA
2. FOLHA DE ROSTO
3. FOLHA DE APROVAÇÃO
4. AGRADECIMENTOS ( OPCIONAL )
5. DEDICATÓRIA ( OPCIONAL )
6. MENSAGEM ( OPCIONAL )
7. SUMÁRIO
8. INTRODUÇÃO
– IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA ( Endereço, níveis escolares, número de salas de aula, números de salas especiais, número de professores, número de alunos, número de diretores e coordenadores , organograma, etc. );
– HISTÓRICO ( Princípios filosóficos e projetos em andamento);

9. DESENVOLVIMENTO

– Plano de Curso (solicitar na coordenação da escola com carimbo)
– Ficha de Acompanhamento (os relatórios)
– Ficha de Avaliação (pelo professor e diretor da escola)
– Ficha de conclusão do estágio (pelo diretor da escola)

10. CONCLUSÃO
– Parecer do Aluno
– Críticas e Sugestões

11. BIBLIOGRAFIA

12. ANEXOS

São 150 horas para o ensino fundamental e 150 horas de estágio para ensino médio. Pessoalmente acredito ser um exagero, principalmente por estar trabalhando, o que fez sobrar somente o período noturno para a prática do estágio. Contudo possibilidade de alternar dias e fazer o próprio horário ajuda para essa prática.

O importante é tentar começar a fazer o estágio o quanto antes para poder ir poucas vezes por semana e ter mais flexibilidade. Muitos colegas conseguiram “montar” o estágio com diretores e professores amigos, contudo acho importante a visitação na escola, o contato com a vida do professor e observação do nível e comportamento dos alunos para sentir realmente qual o nosso nível de vocação para a prática docente.

Um professor sem vocação é terrível, pois lida com a formação de novos seres humanos, contribuindo para o despertar do ser, sua a visão crítica e sua autonomia do pensar.

Abaixo segue a conclusão do meu relatório que reflete todos os esforços da produção e conseqüente efeito de sucesso.

CONCLUSÃO
1) PARECER DO ALUNO
1.1) ESTÁGIO

A vivência de estágio é de grande importância para o futuro docente no sentido de não somente observar o comportamento e rotina dos profissionais de ensino, mas também detectar em si mesmo pontos fracos que devem ser trabalhados tanto no quesito domínio de conteúdo quanto no âmbito pessoal e interpessoal.

Alem disso o evento de maior importância ocorre logo nas primeiras horas de estágio: o pretendente a futuro docente percebe logo na primeira aula se tem vocação ou não para ser professor. E talvez esse seja o melhor momento para refletir se devemos continuar o caminho da magistratura para benefício não somente do docente, mas principalmente dos futuros dicentes.

Refletindo e seguindo o rumo do ensino, analiso no meu caso pelo desempenho da função de economista, que a prática em cálculos financeiros abre uma especialização nessa área do ensino, porém inevitavelmente a necessidade revisão e planejamento inicial de conteúdos é real para todos. Antes de começar a atuar, cabe então o futuro profissional além do estágio, buscar um maior aprofundamento dos conteúdos do currículo independente do nível dos discentes, recordando alguns tópicos onde somente com o pleno domínio curricular o profissional de ensino poderá criar mecanismos facilitadores de aprendizagem.

Outro observação revela-se em pessoal preferência ao ensino inclusivo ao escolher cursar todo o estágio em Escolas Públicas e inclusive o Ensino Médio noturno para Jovens e Adultos. Detecta-se assim que chegam alunos nas escolas com muitos tipos de carências. O que me remeteu a professora Auxiliadora, ex-Secretária de Educação de Campos, em uma de nossas aulas no sentido de que o professor deve acabar com todos os tipos de preconceitos referentes à aprendizagem, pois todos aprendem – carentes ou não – em tempos e maneiras diferentes. Cabe o professor trabalhar com as diferenças e características de cada um. Palavras essas, dentre outras, que derrubaram muitos paradigmas durante nosso período de curso teórico na Universo.

Nesse sentido foi comprovado a excelência de todo corpo docente da Universo relativo ao curso de Formação de Docentes e dos professores do estágio por mim acompanhado nesse período, pois muitos fatos teóricos abordados tiveram sua comprovação durante a prática do estágio. Como na observação comportamental dos alunos, suas diferenças e individualidades desafiadoras de qualquer pedagogia, a pesquisa do conhecimento anterior dos alunos, os exemplos colocados no dia-a-dia – vinculando cotidiano com os ensinamentos matemáticos, dentre outros.

A democracia na sala de aula também foi verificada como a melhor alternativa para caminhar junto com os dicentes no caminho da aprendizagem emotiva e verdadeira. Desde a criação de regras de comportamento para todos até mesmo na seleção de métodos de ensino e conteúdo. O ensino participativo faz com que o aluno tenha sentimentos e emoções envolvidas no processo de aprendizagem. A abstração, a falta de atenção, desinteresse e outros problemas são reduzidos em prol da participação, crítica, compreensão mútua e conseqüentemente de laços de amizade comum.

“Não podes ensinar nada a um homem; podes apenas ajudá-lo a encontrar a resposta dentro dele mesmo.” (Galileu Galilei)

A mediação do conhecimento é o termo atual de uma frase descrita há centenas de anos atrás por Galileu Galilei. O papel do professor comprovadamente é fazer o aluno se conhecer, buscando dentro de si seus talentos e tipos de inteligências, desenvolvendo avaliações considerando as habilidades e esforço de cada aluno, reconstruindo o conhecimento a cada fracasso e buscando construir não apenas pessoas de sucesso, mas cidadãos de valor na sociedade.

Todo docente deve-se armar de conteúdos transversais motivadores da auto-estima e exemplificadores da moral e ética. A sociedade brasileira como um todo se encontra muito atrasada moralmente e o professor deve ser um grande agente de boas atitudes, motivação, persistência, caráter e amor ao que se faz para que possamos provar a cada escola, cada turma, cada aluno que viver com respeito e vontade vale a pena. Como nos diz Isaac Newton – “Para cada ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade.” – e, portanto, produzindo ações construtivas hoje as reações produtivas no futuro será lei.

1.2) PROJETO SEXUALIDADE DA ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ ALVES BARRETO

Apesar de entrar no estágio com o projeto Sexualidade já em andamento, perdendo sua abertura e reunião com direção e professores, pude notar a grande importância desse tipo de projeto não apenas para os alunos, mas para toda a comunidade.
Através de pequenas brincadeiras e vídeos com discussão foram trabalhados de forma amena e marcante assunto tão conturbado na vida de qualquer adolescente. Enriquece a aula, cria um laço maior entre professor – aluno, além de se ter a possibilidade da multiplicação do conhecimento para a comunidade.

O filme “Cazuza” foi de grande valia na questão não apenas da sexualidade, trabalhando o caso das doenças sexualmente transmissíveis mas quanto ao uso de drogas e conseqüências que podem trazer para quem está vivenciando grupos de riscos e atitudes impensadas. Além disso a própria trilha sonora ajuda na dinamização e fixação das lições morais, sendo amplamente trabalhada na triste fim de vida do poeta Cazuza.
Ainda assim, sempre existe a correlação com a higiene pessoal – procedimento básico que necessita de muita ênfase e exemplos concretos para todos os alunos de todas as idades, e mesmo com a especificidade do tema do Projeto Sexualidade, o professor teve possibilidade de englobar assuntos variados ligados ao tema no campo da saúde.

Contribui-se assim concretamente para a educação moral do aluno, levando de forma preciosa o conhecimento de vida na formação do cidadão e difusão do mesmo na comunidade.

1.3) EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS
1.3.1) HISTÓRICO

O descaso do ensino público para a grande massa populacional é uma constante desde a colonização do Brasil, pois sempre esteve voltada para o beneficio da aristocracia rural e burguesia emergente. Assim sendo, uma incrível quantidade da população adulta analfabeta assumiu os postos de trabalho. A situação era dramática com mais de 80% da população analfabeta.

Já na segunda metade do século XX, por crescente pressões sociais e maior necessidade de incorporar essa massa no sistema produtivo houve uma intensa mobilização com o aumento da responsabilidade educacional por parte do governo. Porém sem sucesso até a década de 60 onde a filosofia do educador Paulo Freire inicia a instrumentalizar a educação básica de jovens e adultos para o exercício da cidadania.

Contudo com o golpe de Estado de 1964 a Educação sofre profunda intervenção e perseguições. Em 1970 surge o Mobral com péssimos resultados, sendo substituído pela Fundação Educar em 1985, sobrevivendo até 1990 igualmente sem resultados esperados.

Na era Collor idéias renovadoras em relação ao EJA surgiram, porém mais uma vez castrada pela escassez de recursos motivada pelos seguidos planos de ajustes fiscais governamentais, sendo praticado apenas para atender a pressões internacionais.

1.3.2) PARECER

Notamos assim que historicamente a educação sempre foi tratada em segundo plano, sem políticas duradouras que provocassem resultados. Não apenas a massa pertencente de “pobres” foram atingidos, mas sim toda uma faixa da classe baixa até a média foram massacradas pela falta de educação básica qualitativa.

Forma-se assim um grande espiral de baixa qualidade educativa, pois muitos professores cresceram e se formaram nessa política de descaso e baixa qualidade. Assim sendo, dobra-se a responsabilidade do professor em se auto-avaliar constantemente para estar sempre crescendo a nível de conhecimentos formais e morais, contribuindo assim para o real crescimento pessoal do cidadão.

O primeiro a acreditar no aluno deve ser o professor, e assim sendo, se o próprio aluno passar a acreditar em si – com certeza um futuro cidadão de bem estará sendo formado.
Portanto, torna-se mais importante ainda o papel do professor nesse tipo de alunos, sendo a auto-reflexão uma ferramenta imprescindível para o profissional atuante na educação de jovens nos moldes exemplificados abaixo:

– Consegui identificar os tipos de inteligências predominantes dos meus alunos em minha prática educativa?

– Qual a importância do conteúdo dado para o cotidiano e futuro profissional dos alunos?

– Qual o nível de clareza do que foi discutido em aula, há necessidade de retomar e rever alguns pontos? Caso positivo, de que outras formas poderia expor os conteúdos?

– Nessa aula foi utilizado dos os recursos e observações disponíveis?

– Há necessidade de maior aprofundamento? Que tipos de fontes poderia complementar o tema?

O bom resultado, portanto, está mais uma vez nas mãos do professor. Um trabalho com compromisso, atenção e reflexão com certeza provocará resultados positivos a esses jovens e adultos que já foram por tanto tempo excluídos em nossa sociedade.

2) CRÍTICAS

Na vivência do estágio, percebem-se as dificuldades do cotidiano escolar: atrasos de alunos, faltas generalizadas, rotina, máquinas com defeitos, horários noturnos cansativos, política educativa, baixos salários. Contudo o professor com vocação está acima de todas as dificuldades, pois elas são degraus na ascensão da aprendizagem, convivência escolar e realização pessoal.

É certo que através do professor pode existir uma total mudança de direção e foque na real aprendizagem.

3) SUGESTÕES

Logo, como aumentar a freqüência dos alunos? Como superar o desânimo frente aos baixos salários? Como conviver com políticas educacionais alienadas e duvidosas?
Pessoalmente, a resposta é trabalho com boa vontade e criatividade, independente de tudo, fazer o melhor sem pensar em nossa infinita pequenez. Por isso, através da criatividade, pode-se inicialmente reservar um pequeno período antes das aulas para prática de um jogo, uma história, um conto ligados com a matéria, algo divertido para atrair os alunos a chegarem pontualmente.

Período esse que pode estar ligado a assuntos motivacionais e éticos para cativar e envolver os alunos numa constante busca ao crescimento pessoal.

Outra possibilidade seria a utilização de porfolio – uma pasta individual tipo fichário contendo tudo que o aluno realizou. Pode ser inviável o custo de um fichário com divisões, mas nada impede a criação de pastas comuns daquelas mais baratas de papelão e elástico dividindo os conteúdos em envelopes ou plásticos etiquetados e corretamente organizados.

É uma técnica que inicialmente gera um pouco de trabalho, mas consequentemente trás ao professor e aluno uma possibilidade de avaliação mútua de todo o processo de aprendizagem decorrente do curso e possíveis reconstruções e correções levando todos a uma eficiente retenção de conteúdos além de transversalmente criar bons hábitos organizacionais.

Ainda como sugestão aplica-se ao uso da informática. Reservar um período no mês para aulas dentro de laboratórios de informática. Mesmo não conseguindo um enfoque direto na matéria do bimestre é de grande valia uma quebra de rotina e manutenção do contato com a informática, principalmente de alunos da rede pública.

Alguns exemplos de programas gratuitos de matemática disponível para download na internet que poder ser utilizados:

• JAVA – Por que utilizar linguagem sem aplicabilidade como o LOGO podendo utilizar uma linguagem poderosa como o Java? Com grande utilidade na internet e para aplicativos de todos os tipos o Java pode ser uma poderosa ferramenta, mas também pode servir para pequenos aplicativos e jogos se o professor tiver um conhecimento maior em informática. Será um conhecimento altamente produtivo, pois abre infinitas possibilidades. Maiores detalhes em < http://www.java.com/pt_BR/about/ >

• Desafios Matemáticos – Bom programa com 25 avaliações interativas totalmente configuráveis na forma de um formulário em HTML. Com algum conhecimento de outros softwares é possível também acrescentar nessas avaliações tabelas, gráficos e imagens. Basta que o usuário possua em seu computador o pacote de softwares Office 97 ou superior. Após a abertura do programa, surgirá uma janela dividida em quatro partes: Desafios Matemáticos (com 30 desafios configurados), Desafios Configuráveis (que permitem até 250 questões), Exemplos de Configuração e Instruções. Cada uma dessas subdivisões apresentam botões específicos que acionam páginas em HTML contendo scripts (instruções lógicas) que permitem a exibição dos textos e dos arquivos configurados pelo professor ou por seus alunos. Como prêmio aos alunos que conseguirem atingir a resolução total das questões, o script liberará o botão de acesso a página bônus contento jogos em JAVA! Olha ele ai novamente… e das 25 avaliações configuráveis apenas uma está previamente alterada para servirem de exemplo. Trata-se de uma avaliação baseada em questões de vestibular. < http://www.professorinterativo.com.br/ >

• WinPlot – é um programa sério para gerar gráficos de 2D e 3D a partir de funções ou equações matemáticas. É necessário conhecimentos de equações. Os menus do sistema são simples, sendo que existe uma opção de Ajuda em todas as partes. Aceita funções matemáticas de modo natural. Na janela principal pode-se encontrar as opções Adivinhar, que é um jogo para que você tente descobrir qual é a função de que o gráfico faz parte. Para obter a resposta do programa, basta apertar a tecla F5. <http://www.mat.ufpb.br/~sergio/winplot/winplot.html >

• Timez Attack – é um jogo educativo inovador e muito divertido. No jogo, o aluno comanda um etzinho que precisa escapar de uma masmorra assustadora, e para isso deverá resolver multiplicações antes que o monstro se irrite e ataque você. As soluções também abrem portas lacradas e entregam chaves para abrir a porta maior. É um jogo envolvente que cria uma atmosfera parecida com a de jogos comuns, e inseriram nesse contexto desafios matemáticos que impulsionam o jogador a criar um raciocínio rápido. < http://www.bigbrainz.com/index.php >

• Além desses ainda merece destaque o programa de planilha eletrônica CALC incluso no pacote BrOffice – um software gratuito composto do Calc – planilha de cálculos, Writer – editor de textos, Impress – apresentação multimídia, Draw – produtor de diagramas e desenhos, Math – um editor de formulas e o Base – para manipular banco de dados.
E ainda no campo da informática poderia utilizar de um Blog na internet para que todos – alunos, professores e direção – possam estar interagindo de forma local e on-line, informações, sugestões, críticas, e principalmente criando atividades em que todos possam contribuir para sua produção (escrita coletiva). Um Blog pode ser utilizado pelo ambiente educacional para muitas finalidades:

1) Criar e gerenciar projetos com temas ligados ao conteúdo para que os alunos possam pesquisar e alimentar o banco de dados – servindo como um portfolio comunitário onde centralizaria todas as informações obtidas pelos alunos;

2) Criar um elo de comunicação por escrito entre aluno-professor-coordenador-direção-comunidade;

3) Criar projetos de sugestões e reivindicações para serem enviados e consultados pela Direção e até mesmo a Secretaria de Educação, visto ter possibilidades de acesso on-line.

4) Recursos de agenda, programação, horários on-line.

5) Ainda servir como avaliação não apenas de uma turma, mas avaliar se o professor está engajado na era da informática – sendo ponto de referência para a Direção poder verificar e investir na capacitação dos professores excluídos digitalmente.

6) Incluir os alunos na prática da informática, digitação, operação e processos gerenciais modernos, contribuindo-o para sua inclusão efetiva no mercado de trabalho.
Outras inúmeras oportunidades podem ser traçadas dependendo da criatividade e capacidade de lidar com a informática dos profissionais envolvidos no processo. Ainda é recurso muito pouco utilizado, visto pela dificuldade em se localizar um blog como os abaixo indicados:

http://oblogdanossaturma.blogspot.com/
http://aturmadivertida.blogspot.com/

Vale ressaltar que serviços de Blog desse tipo estão oferecidos de forma gratuita, bastando um conhecimento operacional de informática na internet para a criação da conta – independente de sistema operacional – com acesso a internet para fazer o cadastro em um serviço de Blog existente como Blogger <https://www.blogger.com /start > ou o Terra Blog <http://blog.terra.com.br/&gt; por exemplo.
Por final acredito que devemos estar nos avaliando constantemente sobre a qualidade de nossas aulas e principalmente utilizando da seguinte máxima nos transmitida há 2007 anos atrás:

“Assim como quereis que os homens vos façam, do mesmo modo lhes fazei vós também.” (Lucas 6, 31)

Ou seja, devemos nós professores nos colocar no lugar do próximo, que é o aluno, e questionarmos se estaríamos interessados, motivados e aprendendo se estivéssemos sendo alunos de nossas próprias aulas.

FIM.

—————-

Sugestão de Leitura para os Profissionais da Educação: Pedagogia Espírita

Como, não apenas teoria, mas uma verdadeira filosofia de vida servindo de base filosófica para a busca da moral e ética pelo docente – O Espiritismo nos revela verdades que dão um real entendimento dos motivos de não se fazer o mal. Talvez seja esse um dos pontos principais onde a Pedagogia Espírita acrescenta – as explicações. Saber o que está por trás da moral e da ética, suas conseqüências e visão do ser espiritual como um todo.

Assim acrescento nessa publicação uma sugestão para todos os profissionais da Educação, pois a promoção do auto-conhecimento para correção pessoal, promoção do bem estar comum, integração social harmônica, autonomia reflexiva, desenvolvimento moral, dentre outras reações positivas, são reais reações da aplicação da Pedagogia Espírita!

“A pedagogia espírita tem origem na tradição ocidental, que vem desde Sócrates e Platão, passando por Comenius, Rousseau, Pestalozzi, antecessores diretos de seu sistematizador, o pedagogo francês Allan Kardec, que solidificou esses princípios, evidenciando a existência do espírito e as suas múltiplas vidas.” Wikipedia.

Assim com nosso Chico Xavier é inquestionável com suas mais de 400 obras publicadas, também são os resultados da aplicação da Pedagogia Espírita e do Espiritismo no ser. Mas depende de cada um de nós, buscarmos contato sério, independente de religião, com a obra Espírita – iniciando pelo “Livro dos Espíritos” codificado por Allan Kardec. Esse é o primeiro passo.

No link abaixo temos uma capacitação gratuita on-line em:

http://www.pedagogiaespirita.org/escolavirtual/escolavirtual.htm

Pode-se reunir numa tríade os princípios da Pedagogia Espírita:

  • A pedagogia da liberdade: em qualquer processo pedagógico, estamos lidando com um ser livre, que deve aderir voluntariamente ao convite de evolução que lhe propomos.
  • A pedagogia da ação: o indivíduo só aprende, agindo, experimentando, ensaiando (inclusive errando). É na ação que o ser desenvolve suas potencialidades.
  • A pedagogia do amor: o que deflagra o processo evolutivo é a lei do amor, presente em todas as criaturas. A relação pedagógica deve ser de amor, pois só o amor toca as fibras divinas da alma e desperta a vontade de evolução.
  • (Wikipedia)

A revelação prometida por Jesus vinda a tona pelo Espírito da Verdade – através de pessoas com a capacidade de se comunicarem com espíritos – foi cuidadosamente codificada por Allan Kardec. Essa obra consoladora prometida, mesmo para os que duvidam da mediunidade e do Espiritismo, deve ser analisada primeiro com carinho.

“A mente que se abre a uma nova idéia, jamais voltará ao seu tamanho original.” – Albert Einstein

Contudo a Pedagogia Espírita não é evangelização Espírita, nem muito menos uma religião ou extensão obrigatória da mesma. Se trata de uma pedagogia aplicável a qualquer ser humano, de qualquer tendência filosófica e religiosa.

“A Pedagogia Espírita não é um movimento sectário, autoritário e centralizado numa pessoa ou instituição. Todos podem se embeber de seus princípios e praticá-los livremente. Ninguém tem o monopólio da idéia.” (Wikipédia)

Portanto fica o convite para entrarmos em contato com o Espiritismo e com a Pedagogia Espírita mesmo que seja para criticá-los. Bons estudo para todos !

REFERÊNCIAS E LINKS RECOMENDADOS :

Download gratuito do Livro dos Espíritos:

http://www.espirito.org.br/portal/download/pdf/les/index.html

Site Pedagogia Espírita:

http://www.pedagogiaespirita.org/

Pedagogia Espírita na Wikipédia

http://pt.wikipedia.org/wiki/Pedagogia_esp%C3%ADrita

Artigos ligados ao tema:

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/celuz/textos/as-tres-revelacoes-1.html

http://www.espirito.org.br/portal/artigos/verdade-e-luz/a-pedagogia-de-jesus.html

http://www.espirito.org.br/PORTAL/ARTIGOS/mundo-espirita/a-filosofia-espirita.html

Notícia de abertura de Lato-sensu em Pedagogia Espírita

http://www.universia.com.br/html/noticia/noticia_dentrodocampus_dagie.html

http://www.pedagogiaespirita.com.br/