Resistindo a tentação

24 01 2017

jeanne.jpgTentação é um estímulo ou indução a um ato que pareça atraente, ainda que seja inapropriado ou contradiga alguma norma ou convenção social sendo, consequentemente, proibido. A definição de tentação pode ser aplicada a uma ampla gama de ações (por exemplo, o desrespeito a uma restrição alimentar, a trapaça, a ostentação de artigos de luxo, a procrastinação. (Wikipédia)

Quando se estuda a Doutrina Espírita, verifica-se a necessidade de vigilância de nossos atos, pois todos geram consequências, mesmo o ato de não fazer simplesmente nada! Sim, toda causa tem efeitos. Deixar a oportunidade de praticar o bem é fazer o mal !

Analisando assim nossas ações diárias, verificamos suas reações. Muitas delas podem com certeza produzir reações negativas para nossa própria pessoa. Ainda assim, fazemos. Seja por afinidade a elas, por vício, ou mesmo por desejar, gostar, ter prazer, apenas querer e pronto!

Traições, consumo de produtos maléficos a saúde, indo desde fofocas no trabalho a excessos de todos os tipos, sexo de risco, desrespeito ao patrimônio alheio, etc. Tudo isso para satisfazer o nosso “querer”.

Assim – tais atos que gostamos de fazer, mas que sabemos produzir efeitos negativos – são as tentações !

Para compreender melhor tal situação, adentremos na visão Espírita sobre o assunto:

Nunca estamos sozinho, nesse exato momento, uma gama variada de espíritos está ao nosso lado, nos observando, influindo sugestões em nossas mentes. Verifica-se que muitos dos pensamentos dos indivíduos, não são de origem própria, mas sugestões de espíritos próximos. Tal fato está reportado facilmente na Codificação e nos livros psicografados por Chico Xavier.

Assim, resistir a uma tentação, não é fácil. Primeiro porque simplesmente gostamos dela ! Mas sabemos que produz efeitos negativos ! Então decidimos não realizá-la – vamos resistir !

Mas nesse momento entra em cena as sugestões dos espíritos que também se beneficiavam de  alguma forma com a prática de tal ação. Os segundos passam e surgem pensamentos, e até imagens mentais nos levando a prática da tentação !

Podem pensar:

_ Sinistro !

Mas é.

Então, o que fazer ?

Ai vai minha receita:

  1. Na emergência, mude de ambiente, faça outra coisa imediatamente que também tenha prazer, mas que não seja nocivo: ai vai desde cantar, tocar violão, andar de bicicleta…
  2. Reorganize seu tempo para que não tenha mais tempo ! Faça uma agenda forte de atividades produtivas, participe de grupos de estudo, instituições, esportes, trabalhos voluntários nos horários livres ! Depois de um tempo nesse ritmo, olhe para trás e veja o verdadeiro sentido de viver – ao perceber que você fará falta em algum desses grupos ou atividades ! Isso irá motivá-lo a fazer ainda mais.
  3. Faça o Culto do Evangelho no Lar.

Interessante notar que todos esses itens, o primeiro emergencial e os dois seguintes a médio e longo prazos, se instaurados como rotina, irão também afastar os espíritos, aqueles que querem te empurrar para as atividades tentadoras… e aos poucos, são substituídos por espíritos com ideais mais nobres!

Não se espante se “do nada” surgirem ideias brilhantes e ótimas oportunidades profissionais e pessoais em sua vida !

Anúncios




Como se purificar ?

5 07 2015

No estudo desde domingo tive a felicidade de tratar do texto “afinidade” escrito pelo espírito Emmanuel psicografado por Chico Xavier. Neste singelo texto, que está abaixo, temos um verdadeiro roteiro de vida, onde o Espírito nos ensina como é o mecanismo do pensamento, da afinidade espiritual que provocamos, mostrando as consequências de nossos pensamentos impróprios e ainda apresenta a solução armadilhas que podemos inadvertidamente criar para nós mesmos.

Ressalvo o termo “ordem inferior” como toda atitude mental e habitual que ainda temos relativo a sexualidade, ao egoísmo e ao orgulho. Tais paixões inferiores “ímantam-nos à Terra, como o visco prende o pássaro a distância das alturas…”

Boa leitura:

AFINIDADE

O homem permanece envolto em largo oceano de pensamento, nutrindo-se de substância mental, em grande proporção.
Toda criatura absorve, sem perceber, a influência alheia nos recursos imponderáveis que lhe equilibram a existência.
Em forma de impulsos e estímulos, a alma recolhe, nos pensamentos que atrai, as forças de sustentação que lhe garantem as tarefas no lugar em que se coloca.
O homem poderá estender muito longe o raio de suas próprias realizações, na ordem material do mundo, mas, sem a energia mental na base de suas manifestações, efetivamente nada conseguirá.
Sem os raios vivos e diferenciados dessa força, os valores evolutivos dormiriam latentes, em todas as direções.
A mente, em qualquer plano, emite e recebe, dá e recolhe, renovando-se constantemente para o alto destino que lhe compete atingir.
Estamos assimilando correntes mentais, de maneira permanente.
De modo imperceptível, “ingerimos pensamentos”, a cada instante, projetando, em torno de nossa individualidade, as forças que acalentamos em nós mesmos.
Por isso, quem não se habilite a conhecimentos mais altos, quem não exercite a vontade para sobrepor-se às circunstâncias de ordem inferior, padecerá, invariavelmente, a imposição do meio em que se localiza.
Somos afetados pelas…
– vibrações de paisagens,
– pessoas
– e coisas que nos cercam.
Se nos confiamos às impressões alheias de enfermidade e amargura, apressadamente se nos altera o “tonus mental”, inclinando-nos à franca receptividade de moléstias indefiníveis.
Se nos devotamos ao convívio com pessoas operosas e dinâmicas, encontramos valioso sustentáculo aos nossos propósitos de trabalho e realização.
Princípios idênticos regem as nossas relações uns com os outros, encarnados e desencarnados.
Conversações alimentam conversações.
Pensamentos ampliam pensamentos.
Demoramo-nos com quem se afina conosco.
Falamos sempre ou sempre agimos pelo grupo de espíritos a que nos ligamos.
Nossa inspiração está filiada ao conjunto dos que sentem como nós, tanto quanto a fonte está comandada pela nascente.
Somos obsidiados por amigos desencarnados ou não e auxiliados por benfeitores, em qualquer plano da vida, de conformidade com a nossa condição mental.
Dai, o imperativo de nossa constante renovação para o bem infinito.
– Trabalhar incessantemente é dever.
– Servir é elevar-se.
– Aprender é conquistar novos horizontes.
– Amar é engrandecer-se.
Trabalhando e servindo, aprendendo e amando, a nossa vida íntima se ilumina e se aperfeiçoa, entrando gradativamente em contacto com os grandes gênios da imortalidade gloriosa.

ROTEIRO –  10a ed. – Francisco Cândido Xavier – ditado pelo espírito Emmanuel

Abaixo uma palestra sobre Afinidade. Bons estudos.