Pesquisa sobre Ansiedade.

2 04 2014

Em pesquisa sobre o assunto com base na Doutrina Espírita – verifiquei dois artigos importantes que retratam a ansiedade. Um com dicas e outro com explicações provenientes de psicografias de  plano espiritual – mais precisamente do espírito Joanna de Angelis. Ainda uma palestra – vídeo muito interessante para complementar o assunto.

Percebi ainda nos meus estudos a grande importância do acompanhamento psico-clínico-terapêutico especializado como base principal de auxílio na recuperação.

Quanto a Doutrina Espírita, dispõe de imediato, de fonte de conhecimento para o otimismo raciocinado nas leis do Criador. Com o  estudo sistematizado da obra Espírita trabalhamos diretamente nossa fé, pois temos a disposição respostas como – de onde vimos, quem somos realmente e para onde vamos… São questões primárias que muitos ainda desconhecem. Todo conhecimento é fator importante no combate ao medo, fonte primária da ansiedade. Seguindo os passos dos ensinamentos de Jesus iluminados pela Doutrina Espírita todos temos condições de lutar de igual contra o fantasma da ansiedade. O caminho certamente não é fácil! Necessário se faz usar do escudo do perdão (e auto perdão) e da espada da caridade para que possamos seguir em frente sem quedas bruscas. A confiança não existe por acaso. Ela é treinada, trabalhada e deve ser mantida pelo conhecimento, estudo e ação na caridade. Felizes aqueles que acreditam sem nunca me terem visto, já nos dizia Jesus a Tomé ao duvidar de sua existência após sua crucificação.  Sejamos felizes exercitando nossa fé, dia a dia, pois se colhemos frutos amargos agora, nós mesmos o plantamos em momentos anteriores. Sigamos com coragem em nós mesmos trabalhando nosso íntimo sempre em paralelo a orientação médica-psicológica.

Abaixo o material obtido na internet.

O pensador russo Gurdjieff, que no inicio do século passado já falava em autoconhecimento e na importância de se saber viver, traçou algumas regras de vida que foram colocadas em destaque no Instituto Francês de Ansiedade e Stress, em Paris.
Segundo os especialistas em comportamento humano, quem consegue praticar a metade dessas lições, com certeza terá mais harmonia íntima e menos stress.

As regras são as seguintes:
– Faça pausas de 10 minutos a cada duas horas de trabalho, no máximo. Repita essas pausas na vida diária e pense em você. Reflicta sobre suas atitudes.
– Aprenda a dizer não sem se sentir culpado ou achar que magoou, querer agradar a todos é um desgaste enorme.
– Planeie seu dia sim, mas deixe sempre um bom espaço para o improviso, consciente de que nem tudo depende de você.
– Concentre-se em apenas uma tarefa de cada vez. Por mais ágeis que sejam seus quadros mentais, você se exaure.
– Esqueça de uma vez por todas, que você é imprescindível. No trabalho, em casa, no grupo habitual. Por mais que isso lhe desagrade, tudo anda sem a sua actuação, a não ser você mesmo.
– Abra mão de ser o responsável pelo prazer de todos. Não é você a fonte dos desejos, o eterno mestre de cerimonias.
– Peça ajuda sempre que necessário, tendo o bom senso de pedir às pessoas certas.
– Diferencie problemas reais de problemas imaginários e elimine-os, porque são pura perde de tempo e ocupam um espaço mental precioso para coisas mais importantes.
– Tente descobrir o prazer de fatos quotidianos como dormir, comer e tomar banho, sem achar que isso é o máximo a se conseguir na vida.
– Evite se envolver na ansiedade e tensão alheias, em caso de conflitos espere um pouco e depois retorne com diálogo e ação.
– Saiba que a família não é você, ela está junto de você, compõe o seu mundo, mas não é a sua própria identidade.
– Entenda que princípios e convicções fechadas podem ser um grande peso, as vezes a trave do movimento e da busca.
– É preciso ter sempre alguém em quem se possa confiar e falar abertamente ao menos num raio de 100 quilómetros .
– Saiba a hora certa de sair de cena, de retirar-se do palco, de deixar a roda. Nunca perca o sentido da importância subtil de uma saída discreta.
– Não queira saber se falaram mal de você e nem se atormente com esse lixo mental; escute o que falarem de bom, com reserva analítica, sem qualquer convencimento.
– Competir no lazer, no trabalho, na vida a dois, é óptimo… para quem quer ficar esgotado e perder o melhor de cada um destes momentos.
– A rigidez é boa na pedra, não no homem. A ele cabe firmeza, o que é muito diferente.
– Uma hora de intenso prazer substitui com folga três horas de sono perdido. O prazer recompõe mais que o sono. Logo, não perca as oportunidades de se divertir, porém esteja consciente do que é diversão para você.
– Não abandone suas três grandes e inabaláveis amigas: A Intuição, A Inocência e A Fé.
– Por fim, entenda de uma vez por todas, definitiva e conclusivamente: Você é o que fizer de você mesmo.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/auto-conhecimento/licoes-para-combater-a-ansiedade-e-o-stress/#ixzz2uODyeYcI

Psicogênese da Ansiedade

Texto do Espírito Joanna de Angelis, retirado do livro “Conflitos Existenciais”.
São muitos os fatores predisponentes e preponderantes que desencadeiam a ansiedade.
Além das conjunturas ancestrais defluentes dos conflitos trazidos de existências transatas, a criança pode apresentar, desde cedo, os primeiros sintomas de ansiedade no medo inato do desconhecido – denominado por John Bowlby como vinculação – e do não familiar. Em realidade, essa vinculação apresenta um lado positivo que é o de oferecer-lhe conforto e segurança, especialmente junto à mãe com a qual interage em forma de prazer. Desde o nascimento, havendo esse sentimento profundo, a criança prepara-se para uma sólida interação com a sociedade, e demonstra-o, desde o princípio, quando qualquer alegria ou satisfação proporciona-lhe um amplo sorriso, apresentando-se calma e confiante.
Quando, porém, isso não ocorre, há uma possibilidade de a criança não sobreviver ou atravessar períodos difíceis, em face do medo inespecífico que seria originado pela ausência da mãe, que os psiquiatras identificam na condição de ansiedade livre flutuante.
O paciente apresenta um medo exagerado, e porque não sabe de quê, fica ainda com mais medo, formando um ciclo vicioso. Dessa ansiedade, as aparentes ameaças externas, mesmo que insignificantes, tornam-se-lhe demasiadamente grandes, culminando, na idade adulta, com uma dependência infantil.

Quando uma criança é severamente punida pelos pais – que se apresentam como predadores cruéis – há maior necessidade de apego, tornando-a mais dependente, buscando refúgio, neles mesmos, que são os fatores do seu medo.

Esse medo do desconhecido, ainda, segundo Bowlby, impõe uma vinculação familiar que, ao ser desfeita, amplia a área da ansiedade.

Certamente, o fenômeno tem as suas raízes profundas na necessidade de reparação da afetividade conflitiva que vem de outras existências espirituais, quando houve desgoverno de conduta, gerando animosidade (nos atuais pais) e necessidade de apoio (no Espírito endividado, que ora se sente rejeitado).

A vinculação com o pai produz segurança, a separação proporciona angústia.
No período inicial, essa vinculação pode ser transferida para outrem, quando na ausência da mãe, mais tarde, porém, como a criança já sabe que é a mãe, não a tendo, chora, perturba-se, inquieta-se, e transfere a insegurança para os outros períodos da existência.
Essa ansiedade básica ou fundamental representa a segurança que resulta de sentir-se a sós, num mundo hostil, em total desamparo, levando-a a um tormento, no qual nunca está emocionalmente onde se encontra, desejando conseguir o que ainda não aconteceu.
Como decorrência da instabilidade que a caracteriza, anseia por situações proeminentes, destaques, conquistas de valores, especialmente realização pelo amor, em mecanismos espetaculares de fuga do conflito…
A busca do amor faz-se-lhe, então, tormentosa e desesperadora, como se pudesse, através desse recurso, amortecer a ansiedade. No íntimo, porém, evita envolvimentos emocionais verdadeiros por medo de os perder e vir a sofrer-lhes as consequências.
Existe uma necessidade de identificação de pensamentos irracionais que, não poucas vezes, são os responsáveis pelo desencadeamento da ansiedade. Basta um simples encontro, algo que desperte um pensamento automático e irracional, e ei-la que se faz presente.
No inconsciente do indivíduo inseguro existe uma necessidade de auto-realização que, não conseguida, favorece-lhe a fuga pela ansiedade, normalmente produzindo-lhe desgaste no sistema emocional, por efeito gerando estresse no comportamento.
Na problemática dos conflitos humanos surge o recalcamento que, segundo Freud, resultaria da ansiedade intensa, de um estado emocional muito semelhante ao medo. Segundo ele, o medo da criança de perder o afeto dos pais, leva-a à ansiedade, que a induz a atitudes de inquietação e agressividade.
Considerando-se, ainda, conforme o eminente mestre vienense, que a ansiedade é muito desagradável à criança, ela se esforçará para ver-se livre. Não conseguindo, foge para dentro de si mesma, experienciando a insegurança por sentir-se impossibilitada de reprimir o que a desperta – o ato interdito.
Processos enfermiços no organismo físico igualmente respondem pelo fenômeno da ansiedade, especialmente se o indivíduo não se encontra com estrutura emocional equilibrada para os enfrentamentos que qualquer enfermidade proporciona.

O medo de piorar, de não se libertar da doença, recuperando a saúde, o receio da falta de recursos para atender às necessidades defluentes da situação, o temor dos comentários maliciosos de pessoas insensatas em torno da questão, o pavor da morte favorecem o distúrbio de ansiedade, que se agrava na razão direta em que as dificuldades se apresentam.

A ansiedade é, na conjuntura social da atualidade, um grave fator de perturbação e de desequilíbrio, que merece cuidados especiais, observação profunda e terapia especializada.
Desdobramento dos Fenômenos Ansiosos

A ausência de serenidade para enfrentar os desafios da existência, faz que o comportamento do indivíduo se torne doentio, cheio de expectativas, normalmente perturbadoras, gerando incapacidade de ação equilibrada e de desenvolvimento dos valores ético-morais corretos.

Ao mesmo tempo, avoluma-se na mente uma grande quantidade de ambições, de desejos de execução ou conquista de coisas simultaneamente, aturdindo, desorientando o paciente, que sempre se transfere de um estado psicológico para outro, muitas vezes alternando também o humor, ora risonho, ora sisudo. A necessidade conflitiva de preencher os minutos com atividades, mesmo que desconexas, diminui-lhe a capacidade de observação, confunde-lhe o pensamento e, quando, por motivo imperioso vê-se obrigado a parar, amolenta-se, deixando de prestar atenção ao que ocorre, para escorregar pelo sono no rumo da evasão da realidade.
Justifica que não está adormecido, mas de olhos fechados, realmente dominado por um estranho torpor, que é fruto do desinteresse pelo que acontece em volta, pelo que sucede em seu entorno, convocando-o a outras motivações que, não fazendo parte do seu tormento, infelizmente não despertam interesse.
O comportamento ansioso, não poucas vezes, é estimulado por descargas contínuas de adrenalina, o hormônio secretado pelas glândulas supra-renais, que ativam a movimentação do indivíduo, parecendo vitalizá-lo de energias, que logo diminuem de intensidade.
 Por essa razão, algumas vezes torna-se loquaz, ativo, alternando movimentações que o mantenham em intenso trabalho, nem sempre produtivo, por falta de coordenação e direcionamento. Noutras ocasiões, sofreia a inquietação e atormenta-se em estado de mutismo, taciturno, mas interiormente ansioso, tumultuado.
Quanto mais se deixa arrastar pela insatisfação do que faz, mais deseja realizar, não se fixando na análise das operações concluídas, logo desejando outros desafios e labores que não tem capacidade para atender conforme seria de desejar.
Na sua turbulência comportamental, os indivíduos tornam-se, não raras vezes, exigentes e preconceituosos, agressivos e violentos, desejosos de impor a sua vontade contra a ordem estabelecida ou aquilo que consideram como errado e carente de reparação.
Os seus relacionamentos são turbulentos, porque se desejam impor, não admitindo restrições à forma de conduta, nem orientação que os invite a uma mudança de comportamento.
Quando são atraídos sexualmente, tornam-se quase sempre passionais, porque supõem que é amor aquilo que experimentam, desejando submeter a outra pessoa aos seus caprichos e exigências, como demonstração de fidelidade, o que, após algum tempo de convivência, torna-se insuportável, em razão dessas descargas contínuas de epinefrina que respondem por essa necessidade de mudanças de conduta, pela instabilidade nas realizações.
 O quadro de ansiedade varia de um para outro indivíduo, embora as características sintomatológicas sejam equivalentes.
 Estressando-se com facilidade, em razão da falta de autoconfiança e de harmonia interna, o paciente tende a padecer transtornos depressivos, quase sempre de natureza bipolar, com graves ressonâncias nos equipamentos neuronais.
Passados os momentos de abstração da realidade, quando a melancolia profunda mergulhou-o no desinteresse pela vida e na tristeza sem par, o salto para a exaltação leva-o, com freqüência, aos delírios visuais e auditivos, extrapolando as possibilidades, para assumir personificações místicas ou histriônicas, poderosas e invejadas, cujas existências enganosas encontram-se no seu inconsciente.
Terminado o período de excitação, no trânsito para o novo submergir na angústia, torna-se muito perigoso, porque a realidade perde os contornos, e o desejo de fuga, de libertação do mal-estar atira-o nos abismos do autocídio.
Desfilam em nossa comunidade social inúmeros indivíduos ansiosos que se negam ao reconhecimento do distúrbio que os atormenta, procurando disfarçar com o álcool, o tabaco, nos quais dizem dispor de um bastão psicológico para apoio e melhor reflexão, nas drogas aditivas ou no sexo desvairado, insaciável, o que mais lhes complica o quadro de insanidade emocional.
O reconhecimento da situação abre oportunidade para uma terapia de auto-ajuda, pelo menos, ensejando-se receber de imediato o apoio do especialista.
Terapia para a Ansiedade

Inquestionavelmente, todas as aflições e todos os desapontamentos que aturdem o ser humano procedem-lhe do Espírito que é, atado aos conflitos que se derivam das malogradas experiências corporais transatas.

O self, ao largo das vivências acumuladas, exterioriza as inquietações e culpas que necessitam de ser liberadas mediante a catarse pelo sofrimento reparador, a fim de harmonizar-se.
Quando isso não ocorre o ego apresenta-se estremunhado, inquieto, ansioso…
Especificamente, no distúrbio da ansiedade, esses fenômenos atormentadores sucedem-se, como liberação dos dramas íntimos que jazem no inconsciente profundo – arquivados nos recessos do perispírito – e afetam o sistema emocional.
A terapêutica libertadora há que iniciar-se na racionalização do tormento, trabalhando-o mediante a reflexão e a adoção do otimismo, de modo que lentamente a paciência e o equilíbrio possam instalar-se nas paisagens interiores.
Psicoterapeutas hábeis conseguirão detectar as causas atuais da ansiedade – remanescentes das causalidades anteriores – liberando, a pouco e pouco, o paciente, através da confiança que lhe infundem, encorajando-o para os cometimentos saudáveis.
Em alguns casos, quando há problema da libido, o psicanalista poderá reconduzir o indivíduo à experiência da vida fetal, ou da perinatal, ou infantil no lar, destrinçando as teias retentivas em torno da perturbação que não conseguiu digerir no período da ocorrência.
Transferindo os medos e as incertezas para o inconsciente, ei-los agora ressumando em forma de ansiedade, que poderá ser diluída após o trabalho de psicanálise nas suas origens.
O paciente, no entanto, como responsável pelo distúrbio psicológico, deve compreender a finalidade da sua atual existência corporal, instrumentalizando-se com segurança para trabalhar-se, adaptando-se ao esquema de saúde e de paz.
Nesse sentido, as leituras edificantes propiciadoras de renovação mental e emocional, as técnicas da Ioga disciplinando a vontade e o sistema nervoso, constituem valiosos recursos psicoterapêuticos ao alcance de todos.
Nunca esquecer-se, igualmente, que a meditação, induzindo à calma e ao bem-estar, inspira à ação do bem, do amor, da compaixão e da caridade em relação a si mesmo e ao próximo, haurindo alegria de viver e satisfação de auto-realizar-se, entregando-se aos desígnios divinos, ao tempo em que realizará a tarefa de criatura lúcida e consciente das próprias responsabilidades, que descobriu o nobre sentido existencial.
A ansiedade natural, o desejo de que ocorra o que se aguarda, a normal expectativa em torno dos fenômenos existenciais compõem um quadro saudável na existência de todos os indivíduos equilibrados.
O tormento, porém, que produz distúrbios generalizados, tais: sudorese abundante, colapso periférico, arritmia cardíaca, inquietação exagerada, receio de insucesso, produz o estado patológico, que pode ser superado com o auxílio do especialista em psicoterapia e o desejo pessoal realizado com empenho para consegui-lo.
As aflições defluentes da ansiedade podem ser erradicadas, portanto, graças aos cuidados especializados, adicionados à aplicação da bioenergia por meio dos passes e da água fluidificada que restauram o campo vibratório e revitalizam as células. Outrossim, o hábito da oração e o cultivo dos pensamentos dignificadores são o coroamento do processo curativo para o encontro da saúde e da paz.
Jesus, o Psicoterapeuta por excelência, asseverou, no Sermão da Montanha (Mat 5-4) Bem-aventurados os que choram – recuperando-se das culpas e das mazelas – porque eles serão consolados.

Fonte: http://psicologiaespirita.blogspot.com.br/search/label/Ansiedade

Vídeo sobre ansiedade a luz do Espiritismo –





Métodos contraceptivos sob a óptica Espírita. DIL, Pílula, Cirurgia clínica…

11 04 2010

Laqueadura e Vasectomia  x  Espiritismo

Muitas mulheres usam da cirugia médica de laqueadura com o intuito de não ter mais possibilidades de terem filhos. Certamente um método contraceptivo definitivo bastante eficaz e sem reversão, mas as queixas do pós operatório são grandes.

E atualmente muitos homens também estão recorrendo ao método cirúrgico, operando o procedimento da vasectomia também como forma de definitivo controle de natalidade. Bem mais simples do que a laqueadura e ainda com algumas possibilidades remotas de reversão no futuro.

Mas quais as reações desses atos a nível espiritual? Certamente essa cirugia é uma ação que irá gerar consequencias futuras, pois existiu uma ação sobre um órgão natural humano sadio. A visível a todos é o fim da fertilidade. E as outras? É uma questão a se pensar.

“(…)A esterilização é, também, um assunto discutível, porquanto
trata-se de uma prática antinatural, passível de lesionar o perispírito, com repercussões negativas no psiquismo do indivíduo e reflexos na economia orgânica em existências futuras.” (A Divina Constituição, do Richard Simonetti,. na página 38)

Existem ainda possibilidades de complicações, que apesar de ser baixas, principalmente na vasctomia, elas existem. Uma complicação pode produzir efeitos danosos a saúde – nesse caso certamente que as complicações para o plano espiritual já estão sendo processadas.

Os riscos desse procedimento cirúrgico?

– infecção,
– hemorragia,
– hematomas,
– dor pós-operatória,
– complicações da ferida operatória etc.

Sem falar na quantidade de filhos que devemos ter. Será que realmente temos a certeza acabou? Todos nos comprometemos ainda no plano espiritual antes de nascermos com os espíritos que deveriam vir como nossos filhos.

Quantas vidas lindas, felizes e encantadores não foram produzidas por filhos sem planejamento terreno. O plano espirital age certamente em muitos casos – e com esse nível de interferência mais radical podemos estar nos comprometendo com a total incapacidade de ter filhos novamente.

Casos cirúrgicos existem riscos para a saúde, riscos de comprometimento no plano espiritual para vidas futuras e risco de arrependimento tardio. Mas para uma pessoa que em caso de gravidez possa produzir aborto ou correr grave risco de vida devemos contrabalançar na positividade da esterilização.

Verificamos assim que tal cirurgia pelo homem ou mulher seria apenas indicado quando ouver risco de vida para o indivíduo ou risco de aborto futuro e se o casal tiver com certeza de prole completa com no mínimo dois filhos, pois o avanço dos contraceptivos estão muito acentuados  para um controle familiar normal do casal. Esta é a recomendação Clínica – Espírita que verifico em pesquisas, mas ainda aberto a discussão como no site da CVEE no link abaixo:

http://www.cvdee.org.br/est_educartexto.asp?id=011c

Esperamos ainda que a tecnologia contraceptiva atual possa avançar em métodos controláveis mais facilmente e com mínima interferência na saúde do homem e da mulher.

“Lembramos, entretanto, que apenas o uso do preservativo é capaz de evitar as doenças sexualmente transmissíveis.”  http://www.amebrasil.org.br/html/outras_metodo.htm

E os atuais métodos contraceptivos?

Segundo informações dos espíritos em psicografias o ser humano nasce quando ocorre a fecundação. Nesse momento um ser vivo com um espírito vivo começa a nascer, formar-se e vincular-se plenamente a matéria.  Qualquer interferência humana nesse processo é um aborto.

Assim contraceptivos como o Dil e a pílula do dia seguinte – que podem atuar na eliminação do óvulo após a fecundação – na realidade estão produzindo abortos e consequentemente existe efeitos colaterais  em vidas futuras no plano espiritual para a praticante desse tipo de controle. E ainda nessa vida atual, muitas depressões e doenças influênciadas por ordem espiritual podem ocorrer devido a esse fato e a pessoa nem saber o motivo. Está ai a advertência baseada em teoria e em relatos reais de socorro assistencial em casas espíritas para pessoas sofredoras de depressões e outras doenças.

Mais uma vez portanto, verificamos a grande necessidade de reflexão para todos os atos praticados por nós mesmos em nossas vidas. Muitas reações deles ainda desconhecemos e assim nos comprometemos nas leis da físca universal – como a terceira lei de Isaac Newton – para com nós mesmos.

A advertência de Jesus “Orai e Vigiai” é muito mais ampla do que pensamos. Que possamos estudar e analisar essas questões para o bem comum.





Gripe Suína, das aves e outras Pandemias. O que realmente devemos saber urgênte!

4 08 2009

O PLANETA ATUAL

O mundo atual e sua produção em larga escala de um tipo de produto vegetal e animal somente (monocultura) aliado ao desmatamento certamente está criando um cenário pavoroso que tende a piorar cada vez mais nesse planeta. Ninguém mais consegue plantar sem usar defensivos agrícolas danosos para todos. Poucos conseguem criar animais sem vacinas em larga escala e um alto controle veterinário.

E agora as conseqüências da ganância do homem chega a ele próprio. O inicio das reações de décadas de danos ao meio ambiente começa a sua colheita. E mesmo que o homem parasse agora com toda a poluição e desmatamento ainda sim teríamos que sofrer com essas reações, pois o início delas ocorreram desde a revolução industrial.

TODA AÇÃO POSSUI REAÇÕES

Foram mais de 700 mortos pela gripe suína no mundo, quando ainda estavam fazendo uma contagem séria, e a tendência é ainda mais tenebrosa. Infelizmente o futuro da humanidade é de muito mais sofrimento e mortes. Não precisa ser adivinho para saber o que vêm por ai. Basta usar a lógica matemática. Enquanto estiverem produzindo e desmatando irracionalmente, enquanto existirem “depósitos” de milhões de animais de uma mesma raça aglomerados sendo “cevados por hormônios” para alimento humano, doenças e mais doenças surgirão para o homem – que fica sempre a um passo atrás da solução – correndo atrás de remédios químicos depois de centenas de mortes a cada pandemia.

Solução? Inúmeras. Contudo enquanto o egoísmo ainda estiver acima de tudo estamos longe do fim.

O QUE DEVEMOS SABER URGENTE ?

A educação ambiental, higiene pessoal, alimentação sadia, hábitos saudáveis, na busca de um sistema imunológico forte, tudo é essencial. Contudo o mais urgente não é nada agradável para muitos, por simples medo. Devemos saber o que somos, de onde vimos e para onde vamos. Enfim, devemos estudar de modo científico a vida e principalmente a morte.

Pelo mundo que estamos vivenciando certamente devemos ter mais conhecimento sobre nossa existência nesse planeta. Desde antes do nascimento até depois da morte. E a Doutrina Espírita nos livros publicados que formam sua obra são bases fundamentadas em pesquisas científicas sobre esse assunto. É uma obra onde todos, de todas as filosofias e religiões devem buscar estudar e reavaliar seus paradigmas.

Quem não conheçe o Chico Xavier, uma pessoa humilde, com quarta séria primária, onde através de psicografias publicou mais de 400 livros . Desde poesias até explicações detalhadas de como é a vida no mundo espiritual.

Antes de mais nada devemos afastar o aspecto temível da morte. Existem pessoas que transferem o assunto para um futuro remoto. Contudo devemos ter a certeza de que todos morreremos um dia. Isso já é motivo bastante para estudarmos o assunto.

Três obras são de grande importância para que possamos tomar ciência de como é o processo da morte num primeiro momento:

“Livro dos Espíritos”, Allan Kardec – A obra principal da codificação do Espiritismo. Capitulo III iniciando com a pergunta 149.

“Quem tem medo da morte”, Richard Simonetti – De forma simples, objetiva, e didática Simonetti nos revela todos os segredos da morte baseado em estudos da Doutrina Espírita.

“Ninguém Morre”. Francisco Cândido Xavier – Relatos reais de mensagens de pessoas que morreram para seus familiares recebido por psicografia de Chico Xavier.

As sínteses geram grande risco de dúvidas e contestações por justamente faltar maiores detalhes. Contudo mesmo com esse risco deixo aqui alguns pontos que devemos refletir:

  • Somos espíritos eternos. Já existíamos antes de nascer e ao morrer nosso espírito continua vivo, porém sem estar preso a um corpo físico.
  • A morada definitiva dos espíritos situa-se no Plano Espiritual. A vida num corpo físico é um momento transitório evolutivo.
  • Tudo que fizermos enquanto encarnados irá produzir reações contra nós mesmos. Boas atitudes geram boas reações. Más ações igualmente sofrimentos teremos no futuro espiritual e inclusive numa próxima vida. Com ferro fere com ferro será ferido, assim se gera carmas…
  • Nosso Pai Celeste é puro amor igualmente para todos nós. Todos os nossos sofrimentos, de nascença ou não são devidos a atitudes nossas em vidas passadas, e não por maldade dos Deuses.
  • A reencarnação é deduzida pelos sofrimentos que nos acontecem, pois são reações de atitudes indevidas nossas em vidas passadas; e também deduzida pelas nossas boas e más tendências, que são reflexos de vivências nossas em vidas anteriores. Quem não viu aquele garoto de 3 anos tocando piano clássico? Certamente foi um grande músico em vida anterior.
  • Quanto mais conhecimento dessas realidades, mais fácil será o passagem para o plano espiritual, pois todo conhecimento afasta o medo.
  • A pior morte de todas é o suicídio, onde o espírito irá continuar a receber todas as sensações e dores de sua morte até sua energia vital findar, indo para uma zona obscura. Orações em favor deles ajudam muito.
  • Ao nascermos, passamos por um processo de esquecimento de todas as vidas anteriores para que possamos ter o mérito de passar por essa curta vida material produzindo boas ações.
  • Ao morrermos, aos poucos nos lembramos de todas as nossas vidas anteriores e do que inicialmente idealizávamos fazer enquanto num corpo físico. Grandes decepções surgem desse momento. Devemos estar preparados para acertar aos poucos.
  • Quem conhece a obra de Francisco Cândido Xavier, o Chico, certamente sabe que a vida após a morte existe. Fica o convite para conhecer um pouco da obra.
  • Ao morrermos, muitos ainda pensam que estão vivos, pois a energia de nosso espírito, o perispírito, toma forma de nossa última encarnação. Assim devemos ter o hábito de orar, pois todos temos um espírito protetor – um “anjo da guarda”.
  • Criou muitas dúvidas ainda? Quer acabar com o medo da morte e se preparar para quando chegar esse momento? Fica o convite para o estudo da Doutrina Espírita. Download da obra básica da codificação nos links ao lado e abaixo alguns vídeos interessantes:

Livro dos Espíritos:

Chico Xavier:

Richard Simonetti

Mensagem de Dr. Bezerra de Menezes:

“Cristãos decididos
…Estamos sendo convocados pelos Espíritos nobres para ser os lábios pelos quais a palavra de Jesus chegue aos corações empedernidos.
Estamos sendo convocados para ser os braços do Mestre, que afaguem, que se alonguem na direção dos mais aflitos, dos combalidos, dos enfraquecidos na luta.
Estamos colocados na postura do bom samaritano, a fim de podermos ser aquele que socorra o caído na estrada de Jericó da atualidade.
Nunca houve na história da sociedade terrena tantas conquistas de natureza intelectual e tecnológica!
Nunca houve tanta demonstração de humanismo, de solidariedade, tanta luta pelos direitos humanos!
É necessário, agora, que os cristãos decididos arregacem as mangas e ajam em nome de Jesus.
Em qualquer circunstância, que se interroguem: – em meu lugar que faria Jesus?
E, faça-o, conforme o amoroso Companheiro dos que não têm companheiros, faria.
Filhos da alma!
Estamos saturados de tecnologia de ponta, graças, à qual, as imagens viajam no mundo quase com a velocidade do pensamento, e a dor galopa desesperada o dorso da humanidade em desalinho.
O Espiritismo veio como Consolador para erradicar as causas das lágrimas.
Sois os herdeiros do Evangelho dos primeiros dias, vivenciando-o à última hora.
Estais convidados a impregnar o mundo com ternura, utilizando-vos da compaixão.
Periodicamente, neste planeta de provas e expiações, as mentes em desalinho vitalizam microorganismos viróticos que dão lugar a pandemias  destruidoras.
Recordemo-nos das pestes que assolaram o mundo: a peste negra, a peste bubônica, as gripes espanhola, a asiática e a deste momento de preocupações, porque as mentes dominadas pelo ódio, pelo ressentimento, geram fatores propiciatórios à manifestação de pandemias desta e de outra natureza.
Só o amor, meus filhos, possui o antídoto para anular esses terríveis e devastadores acontecimentos, desses flagelos que fazem parte da necessidade da evolução.
Sede vós aquele que ama.
Sede vós, cada um de vós, aquele que instaura o Reino de Deus no coração e dilata-o em direção da família, do lugar de trabalho, de toda a sociedade.
Não postergueis o dever de servir para amanhã, para mais tarde.
Fazei o bem hoje, agora, onde quer que se faça necessário.
As mães afro-descendentes, as mães de todas as raças, em um coro uníssono, sob o apoio da Mãe Santíssima, oram pela transformação da Terra em Mundo de Regeneração.
Sede-lhes filhos dóceis à sua voz quão dócil foi o Crucificado Galileu que, ao despedir-se da Terra, elegeu-a mãe do evangelista do amor, por extensão, a Mãe Sublime da Humanidade.
Muita paz, meus filhos.
Que o Senhor de bênçãos nos abençoe.
O servidor humílimo e paternal de sempre,
Bezerra”

(Mensagem psicofônica recebida pelo médium Divaldo Pereira Franco, ao final da conferência pública em torno da maternidade, realizada no Grupo Espírita André Luiz, no Rio de Janeiro, na noite de 13 de agosto de 2009.)