Mantendo a forma física, mental…. e espiritual.

3 10 2008

Evitar excessos e fazer exercícios é um padrão no aconselhamento de profissionais da saúde para viver bem e ter uma boa velhice.

Contudo existem muitos fatos invisíveis que podem fazer muita diferença em relação a saúde física e mental. São nossas ações na maioria das vezes de forma negativa em vidas anteriores que agora estão produzindo reações em forma de doenças e restrições físicas de todos os tipos.

Como assim de vidas passadas? Quer dizer que tivemos outras vidas?

Exato. Parece difícil acreditar nisso, mas perceba bem os detalhes: as características de personalidade, dons de nascença, as boas e más tendências que fervem em cada um de nós desde o nascimento…. São vivências adquiridas em vidas passadas que agora re-surgem. Somos todos espíritos eternos *.

E por que não lembro dessa minha vida passada ?

Simplesmente porque a natureza é perfeita e no processo de fecundação ao nascimento esquecemos quase tudo, pois a energia espiritual livre é presa a um cérebro novinho em folha para novas vivências. Mas note que pelas nossas tendências comportamentais atuais podemos ter indícios do que fomos…

E por que? Qual o motivo de esquecermos tudo?

Imagine no caso de um assassino. Como ele iria realmente ter uma nova chance de fazer o bem trazendo todo o mal na mente? Sem falar – dentre outros – os casos de relacionamento em que muitas vezes somos levados a nascer em determinadas famílias para ter novas chances de reconciliação com antigos inimigos…

Então, sabendo que além de estarmos sendo afetados pelos nossos excessos dessa vida, ainda podemos ser afetados pelos excessos das vidas passadas, devemos ter grande atenção não apenas no quesito alimentação e exercícios – mas também na questão de fazer sempre o bem em todos os nossos sentidos ! Aí sim estaremos garantido uma vida longa e saudável.

Então os excessos dessa vida podemos criar bons hábitos para ter uma nova chance de recuperar a saúde. Mas e quanto a recuperação da saúde de algo que fiz no passado ?

Um bom questionamento – pois um excesso numa vida passada fica registrado em nosso perispírito. Contudo não existe punição eterna, ou seja, tudo que praticamos de errado contra nós mesmos é certo de que iremos sentir na pele cedo ou tarde e assim nos livrar do nosso próprio mal. Contudo também é certo de que toda ação positiva que fizermos a favor do próximo cria condições de amenizar ou até mesmo  apagar as reações negativas de vidas passadas. Por isso a caridade ser tão defendida pelo Espiritismo, por Jesus. E fazer o bem usando todos os nossos sentidos ajuda ainda mais !

Como fazer o bem em todos os nossos sentidos ?

Bem, temos sentidos receptores e transmissores, podemos assim dizer:

• Pelo tato – pegamos algo, sentimos os objetos, sentimos o calor ou frio.
• Pela audição – captamos e ouvimos sons.
• Pela visão – vemos as pessoas, observamos contornos, as formas, cores e muitos outros.
• Pelo olfato – identificamos os cheiros ou os odores.
• Pelo paladar – sentimos os sabores.

Mentalmente devemos criar uma atitude de vigilha em todos esses sentidos físicos, escolhendo conteúdos bons para recebermos e filtrando também o que transmitimos. Contudo todos esses sentidos são coordenados pela mente. Daí a importância de estarmos atentos quanto aos nossos pensamentos. Assim:

  • Ao tocar em alguém, tenha carinho e cuidado, nunca agrida;
  • Ao ouvir algo negativo – não repasse, e sim, busque ambientes e pessoas que produzam bons sons e falas. O mal nunca merece comentário;
  • Ao ver nunca inveje nem crie imagens negativas de nada;
  • Acostume a ajudar as pessoas, os mendigos cheiram mal. Impulsione esse odor para ação na caridade – ajudando-os;
  • Procure bons sabores, se algo queima a boca – a exemplo de certas bebidas quentes – como isso pode ser bom para o organismo?

Toda atividade relativa a excessos são motivados pela vontade e colocadas em prática pelos nossos pensamentos. Assim a criação de bons hábitos seria o combate das vontades negativas e início somente das vontades positivas. Entra em cena o exercício da moralidade sobrepondo o uso da razão e inteligência humana sobre o instinto animal.

Temos o livre-arbítrio de escolher como viver. Como animais gerando reações futuras bastante negativas ou como seres inteligentes – filtrando o bem do mal e assim escolhendo o bem e recebendo o bem de volta no futuro.

Todos os nossos sentidos estão ao nosso comando. Escolhemos viver das sensações vazias – não produzindo futuro algum; ou das atividades construtivas – criando verdadeiro sentido a vida.

Viver com um planejamento de saúde, controlando nossa alimentação, e ainda com um planejamento de bons pensamentos e conseqüentes boas ações – constrói-se o ser em equilíbrio – alongando a vida com boa saúde física, mental e espiritual.

Mas a vida tem muitos problemas – pessoas difíceis, falta de tempo, aluguel atrasado, trabalho em demasia, baixa renda, solidão, problemas familiares, doenças… escrever é fácil ! Como ter equilíbrio na vida real com todos esses problemas ?

O grande desafio é justamente em como se comportar diante das crises familiares, de relacionamento, de trabalho, financeira. Nessa hora que todos somos colocados em prova. Diante das tentações de sair pelo caminho mais fácil, sem trabalho, de fugir das situações, de criar máscaras, de trair, … todos somos convidados nesses momentos de provar que temos fé e moral.

E todo estudante da Doutrina Espírita tem o dever da confiança em si mesmo, pois o estudo provoca uma grande energia de fé pela razão e lógica nos fatos. O Espírita sabe que nunca se está sozinho, que sempre tem companhias espirituais de acordo com os pensamentos diários e que deve praticar o bem para atrair o bem.

Ainda assim, seja no esforço de buscar uma alimentação sadia, na criação de um bom hábito, na vigilância para bons pensamentos – sempre vamos encontrar nossa própria vontade querendo fazer tudo a perder. Nesses momentos vale a oração para criar resistência e força em ações produtivas iluminando o caminho.

Saúde !

——————

* Maiores detalhes sobre a nossa vida espiritual em “O livro dos Espíritos” – obra codificada por Allan Kardec em psicografia a espíritos superiores onde as mesmas questões eram perguntadas para vários médiuns em cidades diferentes e comparadas antes de sua organização. Download em : www.espirito.org.br
Anúncios